Spring Cup Viseu 2010: Que pena! Suíça derrota Portugal e Rússia conquista título.


Ao contrário dos dias anteriores, hoje não foi nada fácil tomar a iniciativa de escrever este post sobre a Spring Cup. Na verdade, tenho muita pena de Portugal não ter vencido a competição, tudo por causa de uma derrota infeliz nesta tarde frente à Suíça, por 4-3. No entanto, vejo a redacção deste artigo como um dever, dada a minha paixão pela modalidade do futebol de praia e a grande admiração que tenho pela selecção nacional portuguesa.

Justamente, no jogo que encerrou o torneio indoor em Viseu, os jovens jogadores portugueses deram mais uma vez provas capitais das suas excelentes capacidades, encarando um desafio de grande dificuldade com muita concentração, determinação e vontade de vencer. São os maiores. Por isso me sentiria mal comigo mesmo se não escrevesse este post. E, à medida que as primeiras palavras vão saindo, dando forma às linhas inaugurais deste artigo, vou começando a sentir um enorme alívio por expressar aquilo que penso e sinto com o mundo, partilhando estas emoções de adepto dedicado e fervoroso.

Portugal vs Suíça: o jogo das decisões finais

Depois da vitória da selecção russa sobre a Inglaterra, que eu já previra anteriormente, o confronto entre lusitanos e helvéticos afigurava-se aos olhos dos espectadores como o jogo de todas as decisões, de importância fulcral para a definição da classificação final. Deste modo, em caso de vitória portuguesa, a selecção da casa venceria o troféu, deixando os russos na segunda posição e os suíços na terceira, mas na eventualidade de um triunfo suíço, a campeã seria a selecção de leste, surgindo a confederação helvética em segundo lugar e os lusos em terceiro. Estes cenários verificar-se-iam quer a partida fosse decidida em tempo regulamentar quer a decisão fosse adiada para prolongamento ou grandes penalidades.

Infelizmente, foi a segunda eventualidade que se verificou, com um jogo espectacular, de grande qualidade, no qual a Suíça acabou por emergir como a equipa vitoriosa. O resultado final, com 4 golos helvéticos contra 3 tentos de Portugal, espelhou esse equilíbrio que se fez sentir dentro de campo, numa partida em que o triunfo sorriu à selecção da Europa Central. As duas equipas estão de parabéns pelo seu bom desempenho e pela magnífica actuação com que brindaram o público viseense, exemplar no apoio aos jogadores da selecção nacional, com o Pavilhão Multiusos completamente preenchido, em lotação esgotada.

Os tentos suíços, todos de jogadores diferentes, foram apontados por Meier, Mo, Rodrigues e Stankovic, obtendo o seu oitavo golo na prova. Já Portugal marcou por intermédio do inevitável Belchior, que voltou a bisar, e o incansável Zé Maria, que conseguiu um golo merecido nesta Spring Cup. Portugal terminou o 1º período em vantagem, vencendo por 2-0, mas a Suíça empatou o jogo no 2º período, com dois golos em momentos cruciais. O 3º período trouxe mais emoção ao Pavilhão Multiusos, com Portugal a marcar primeiro, mas a Suíça a reagir com dois golos que lhe valeram a vitória na partida e o 2º lugar na classificação final do torneio.

1º período

Na necessidade de fazer face ao problema causado pela suspensão de Durval, que fora expulso no dia anterior frente aos russos, o seleccionador nacional José Miguel Mateus optou por utilizar o mesmo cinco inicial que jogara a titular nos jogos anteriores, substituindo o jogador castigado pelo número 13, Paulo Neves. Deste modo, Portugal alinhou com Paulo Graça, Sousa, Torres, Neves e Belchior, sendo necessária uma gestão inteligente das substituições para colmatar a ausência de Durval, o que exigiu um esforço adicional aos atletas lusos. Por seu turno, Angelo Schirinzi decidiu proceder a algumas alterações nos titulares em relação ao jogo inaugural diante da Rússia, trocando o guarda-redes Nico Jung pelo seu habitual substituto, Valentim Jaeggy, e o número 7, Sandro Spaccarotella, pelo jovem Michael Rodrigues. Os helvéticos entraram em campo com Vale, Spacca, Leu, Mo e Stankovic.

Se no jogo anterior, diante da Rússia, Portugal tinha apresentado algumas dificuldades no 1º período, desta vez a história da partida foi totalmente diferente, com a selecção nacional a conseguir o comando das operações muito cedo. Após os instantes iniciais da partida, durante os quais se verificou algum equilíbrio de parte a parte, Portugal conseguiu, gradualmente, tomar as rédeas do jogo, começando a criar perigo para a baliza helvética por meio de livres directos e uma ou outra jogada bem executada. Foi através de um livre de Belchior, cobrado no meio-campo russo, descaído para o lado esquerdo, que o número 10 de Portugal fez o primeiro golo da tarde, num remate muito bem direccionado. 1-0 para Portugal.

A Suíça raramente criava perigo, apesar da pressão alta que os jogadores suíços mais avançados no terreno colocavam nos portugueses. O remate de Rodrigues à barra da baliza de Paulo Graça, na sequência do pontapé de saída, foi, no entanto, uma excepção, na medida em que os defesas portugueses protegeram magnificamente as suas redes. Enquanto isso, Portugal ia tentando dilatar a vantagem, praticando uma boa circulação de bola e procurando criar ocasiões de golo, já com a segunda linha em campo. Foi quando Belchior entrou para o lugar do infatigável Torres que a equipa portuguesa chegou ao segundo golo: numa boa jogada de entendimento pela esquerda, entre o jovem capitão e José Maria, Belchior assistiu o colega que, rematando prontamente, introduziu a bola na baliza defendida por Vale. Portugal fazia assim o 2-0 no marcador.

Após este momento espectacular, a equipa portuguesa continuou em busca de novos golos, criando inúmeras situações para marcar. Belchior, Zé Maria, Torres, todos tentaram visar a baliza suíça, que se manteve impenetrável até ao fim do 1º período, para infelicidade dos nossos jogadores, que estavam a protagonizar uma exibição segura e destemida. A vantagem lusa por duas bolas a zero no final desta primeira etapa do jogo era perfeitamente merecida, e não teria sido injusto um resultado mais avolumado. Foi de facto formidável a prestação da selecção nacional, aproveitando uma entrada pouco fulgurante dos helvéticos.

2º período

No segundo período de jogo, as coisas não correram de feição à selecção nacional de futebol de praia, com a Suíça a entrar muito determinada e a conseguir um golo logo nos instantes iniciais. Stephan Meier, um histórico avançado helvético, aproveitou um passe pelo ar para executar um soberbo pontapé de bicicleta, com a bola a entrar na baliza de João Carlos Delgado mesmo junto ao poste. Um grande golo, no qual o guarda-redes português esteve totalmente isento de culpas, e só poderia ter sido evitado com uma marcação mais forte à estrela suíça.

A vantagem de Portugal era assim reduzida para a margem mínima, ficando o marcador em 2-1 a favor da selecção nacional. Este golo moralizou os suíços, que ganharam forças para lutar pelo empate, aproximando-se cada vez mais da baliza portuguesa e dispondo de algumas boas oportunidades. No entanto, graças ao acerto defensivo da nossa equipa e uma tarde concentrada de João Carlos, bem como alguma falta de eficácia dos suíços, permitiu a manutenção do resultado, numa fase do jogo em que Portugal se começou a soltar e a procurar um golo que devolvesse a vantagem de 2 golos.

Foi provavelmente a melhor altura do jogo, com ambas as equipas a praticarem o melhor futebol de praia ofensivo, com ocasiões para as duas equipas, oferecendo muito trabalho aos guarda-redes adversários e proporcionando um espectáculo fantástico ao publico presente. Todavia, a pouco e pouco, Portugal ia começando a dispor de mais oportunidades de golo, que não concretizou por manifesta falta de sorte e grandes actuações dos guarda-redes suíços, Valentim e Nico. A Suíça, que mantinha os índices de competitividade elevados, conferindo uma grande intensidade ao jogo, sem no entanto conseguir a construção de jogadas de perigo, apenas obtinha situações para marcar de bola parada, em livres muito longe da baliza, devido aos nervos dos jogadores portugueses. Felizmente, nenhum destes remates entrou na baliza de João Carlos, exímio na defesa dos poderosos chutos de Meier e companhia.

Apesar da hegemonia lusitana, o terceiro golo tardava em surgir, o que gerava uma grande intranquilidade nos jogadores da selecção nacional. A pouco e pouco, tal como o tinha conseguido, Portugal foi perdendo esse domínio de jogo, com as combinações no ataque a saírem com mais dificuldade e a equipa da Suíça a voltar a criar mais perigo para as redes de lusas. Deste modo, o equilíbrio era a nota dominante no final do 2º período, com ocasiões de golo para os dois lados, sem que as equipas tirassem proveito das mesmas. Por esta altura, quando tudo parecia indicar que Portugal iria para o 3º período em vantagem por um golo, após uma oportunidade desperdiçada por Belchior, um balde de água fria atingiu o Pavilhão Multiusos: o capitão suíço, Moritz Jaeggy, respondendo a um lançamento de Nico Jung, rematou de primeira, à meia volta, fazendo o empate, sem hipóteses para João Carlos.

Uma pequena falha da defensiva portuguesa custava assim a vantagem e o resultado no fim desta segunda etapa era 2-2. A suíça marcava num momento crucial do jogo e anulava o excelente resultado que os pupilos de Zé Miguel haviam trazido do 1º período. De realçar que, apesar do aumento do ritmos de jogo imposto pelos helvéticos, o 2º período foi globalmente equilibrado, incluindo períodos de maior domínio suíço, outros de hegemonia portuguesa e ainda outros em que as duas equipas se equivaleram. Com ambos os guarda-redes de ambas as selecções a serem chamados a intervir várias vezes, foi claramente o melhor período de jogo, no qual a eficácia acabou por ser determinante para que Portugal perdesse a preciosa vantagem.

3º período

Na entrada para o derradeiro segmento do jogo, o seleccionador nacional, desejando repor a vantagem no marcador, colocou em campo um cinco muito ofensivo, com Coimbra, Torres, Belchior e Zé Maria, regressando Paulo Graça à baliza portuguesa. Esta medida teve efeitos extremamente positivos, com Portugal a conseguir chegar ao terceiro golo imediatamente na primeira jogada de perigo: uma grande arrancada de José Maria, passando em velocidade por um defesa suíço, foi a chave para o sucesso deste ataque, com o número 9 português a alcançar a linha de baliza e a meter para Torres, que deixou a bola chegar até Belchior, e o capitão lusitano, com a força espiritual que lhe conhecemos, atirou a contar para o fundo das redes defendidas por Nico. Estava feito o segundo golos de Belchior no encontro, que devolvia a vantagem ao conjunto português, de forma claramente merecida: 3-2 favorável à selecção da casa.

As investidas ofensivas de Portugal não se ficaram por aqui, com o quarteto de jogadores de campo português a prodigalizar aos inúmeros adeptos presentes no recinto as mais belas jogadas de futebol de praia, que por infelicidade não resultaram em novos tentos. Foi pena, porque um golo marcado naquela altura colocaria Portugal numa situação privilegiada, sobretudo pelo impacto psicológico que poderia ter na equipa helvética. Porém, tal não aconteceu, apesar das corajosas tentativas de Torres, Belchior e Zé Maria.

A dado momento, o número 9 português, completamente exausto, teve de ser substituído, e foi exactamente nessa altura que a Suíça, até então perfeitamente inócua no ataque, marcou o seu terceiro golo e voltou a empatar a partida. Rodrigues, o mais jovem talento na equipa de Schirinzi, com sangue português nas veias, na sequência de um lançamento longo de Nico, aproveitou uma desatenção na defesa portuguesa e rematou exemplarmente para o fundo da baliza de Graça, num gesto técnico que demonstra bem as suas enormes aptidões. E assim, numa altura em que Portugal estava inequivocamente por cima do jogo, acabava por sofrer um novo golo do empate, que colocava o resultado em 3-3.

A reacção dos jogadores lusos ao golo suíço foi muito positiva, com a equipa a procurar um quarto golo, lutando contra o cansaço e a fadiga psicológica, apesar do impacto profundo que o golo de Rodrigues teve na selecção nacional. O jogo voltou a ser ligeiramente mais equilibrado, embora Portugal tenha pertencido no comando das operações, dispondo de mais situações de perigo. No entanto, a Suíça também ia criando as suas ocasiões, sendo que o golo poderia surgir para qualquer um dos lados. Infelizmente, a maior concentração dos jogadores suíços acabou por prevalecer sobre a vontade e garra lusitanas, com uma falha de marcação de Coimbra a possibilitar que Dejan Stankovic recebesse a bola numa zona muito propícia a uma boa finalização. O melhor jogador do último mundial, que ainda não marcara nesta tarde, teve a calma suficiente para superar a oposição de Paulo Graça e colocar, pela primeira e única vez no jogo, a sua equipa em vantagem: 4-3 no placar, Portugal em desvantagem.

A menos de 4 minutos do fim do jogo, era urgente conseguir um golo para evitar a derrota e manter vivas as esperanças de conquistar a Spring Cup. Zé Miguel, crente nas capacidades dos seus jogadores, colocou em campo os jogadores mais ofensivos, passando Sousa a colaborar com o trio Torres, Zé Maria e Belchior. Tudo tentaram os nossos atletas para repor a igualdade no marcador, num último esforço titânico, sacrificando tudo o que tinham e o que não tinham, como disse o seleccionador nacional após o jogo, pelo presente que tentaram oferecer ao incansável público viseense. Valorosos guerreiros lusitanos, que tudo fizeram para vencer esta batalha final, travada na cidade do seu chefe mítico, o grande Viriato.

Para grande pesar dos apoiantes da nossa selecção, que encheram as bancadas do Pavilhão Multiusos, e para grande tristeza minha, as tentativas destemidas dos nossos jogadores não foram bem sucedidas, com a vantagem suíça a prevalecer no marcador. A atitude dos atletas lusos, porém, foi louvável, como fiz questão de realçar, impondo uma grande intensidade de jogo e procurando o empate até ao fim, dispondo de inúmeras situações de golo, que não se materializaram pela boa prestação de Nico, o inevitável desgaste físico da nossa selecção e algum azar à mistura.

Naturalmente que tive muita pena de termos perdido, mas a elevada qualidade do futebol de praia apresentado pela selecção nacional neste jogo, numa exibição muito bem conseguida, e sobretudo a postura heróica dos atletas lusitanos, enche-me de orgulho na nossa equipa e deixa-me feliz por admirar e apoiar esta grande família. Como dizia Fernando Pessoa, Tudo vale a pena se a alma não é pequena.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: