Manuel Alegre fez uma boa campanha. Cavaco leva uma vantagem desconfortável para as eleições. A segunda volta é ainda uma possibilidade. Não se abstenham!

Na sequência deste comentário do meu estimado colega Francisco Barão Dias a este artigo de opinião, resolvi proceder a uma retrospectiva da campanha eleitoral de Manuel Alegre e divulgar as minhas previsões para as Presidenciais 2011, deixando a minha perspectiva pessoal bem patente. Confesso que inicialmente não pretendia desenvolver exaustivamente o assunto, mas acabei por fazê-lo dada a sua relevância e o meu entusiasmo enquanto escrevia.

A Campanha Eleitoral de Manuel Alegre

Na minha perspectiva, Manuel Alegre fez uma boa campanha. Contrariando alguns dos meus receios, soube conter convenientemente a sua iminente sede de poder, colocando as prioridades do país sempre à frente dos seus interesses pessoais. Acerca do seu discurso, penso que se pronunciou com clareza e coerência (o que é fundamental) sobre os assuntos mais relevantes no actual contexto socioeconómico e político, deixando as suas posições bem esclarecidas e mostrando que reúne todo um conjunto de condições de importância capital para o cargo de Presidente da República.

São exemplos disso a frontalidade com que defendeu o Estado Social, deixando patente a forma convicta como defende o apoio do Estado à saúde e à educação (mostrou-se disposto a bater-se pela gratuitidade do SNS e do Ensino Público) e a importância de uma participação activa do Presidente da República na política externa portuguesa, fazendo uso dos poderes do cargo para dialogar com o exterior e intervir na estruturação das relações e nos negócios entre os países (algo em que Cavaco Silva se notabilizou pelo silêncio e pela inactividade).

A Postura de Manuel Alegre face aos casos em que Cavaco Silva esteve envolvido

Sei que, quando o Francisco fala de contra-campanha, se referes a um conjunto de argumentos ad hominem de que não só Alegre, mas também todos os outros candidatos (incluindo Cavaco Silva) se socorreram durante esta campanha. Não o nego e concordarei inteiramente com quem afirmar que esse tipo de estratégias, independentemente de poderem resultar e de suscitarem questões relevantes, não contribuem em nada para o enobrecimento da campanha. Ainda assim, gostaria de notar aqui dois aspectos importantes:

1) O caso BPN e outros assuntos passíveis de atentar contra a credibilidade do actual Presidente da República, Cavaco Silva, foram trazidos a esta campanha eleitoral por outros candidatos (Francisco Lopes, Defensor Moura), sendo particularmente salientados durante os debates entre Cavaco e estes candidatos. Por outro lado, é preciso saber distinguir a forma como os apoiantes de Manuel Alegre, independentemente atacaram o carácter Cavaco Silva, e aquilo que o próprio Manuel Alegre disse acerca do assunto.

2) O modo como Alegre encarou estes ataques à personalidade de Cavaco foi, a meu ver, exemplar, dado que soube gerir convenientemente a situação, com prudência e responsabilidade. Nos debates e entrevistas, Alegre não se servia destas polémicas para desenvolver a sua argumentação, discutindo esses assuntos apenas quando questionado acerca deles. Para além disso, não ouvimos Manuel Alegre a dirigir acusações a Cavaco Silva, mas simplesmente a enunciar factos concretos que despertavam suspeitas acerca do Presidente da República, limitando-se a pedir esclarecimentos a Cavaco Silva. De resto, o próprio Manuel Alegre, aquando da entrevista com Judite de Sousa, disse muito claramente que lamentava ver a quase totalidade do tempo de antena dedicado a questões de segundo plano (todas estas manobras de bastidores).

Uma Campanha Frontal, Responsável e Convincente

Assim, penso que a campanha de Manuel Alegre decorreu de forma favorável ao candidato, que se expressou se uma forma inteligente e convincente, deixando bem claros os motivos pelos quais a sua eleição seria positiva para o país e gerindo adequadamente as polémicas que marcaram a campanha (incluindo aquelas das quais Manuel Alegre foi alvo e que rapidamente se viriam a revelar ridículas, desmistificadas com frontalidade e sinceridade pelo próprio).

A campanha não foi perfeita, como é óbvio, e admito que se tenham cometido alguns erros estratégicos. No entanto, não os considero graves, sobretudo porque não encontramos fragilidade na forma como explorou a realidade nacional e definiu as prioridades do seu mandato, nem descobrimos atitudes ilícitas/imorais no modo como se relacionou com os outros candidatos e procurou ganhar popularidade em relação aos seus adversários.

O conservadorismo, o chantagismo e a contrariedade de Cavaco Silva

Por seu turno, Cavaco demonstrou de forma inequívoca o seu conservadorismo, patente na forma como encara a sociedade, a futilidade dos seus conhecimentos em economia (no decurso da sua estratégia de vitimização transmitiu uma imagem de impotência face à crise económica que não se coaduna com o seu estatuto académico na área) e acentuou as suspeitas que contra ele se levantaram, dado que nunca se pronunciou de forma explícita de directa acerca daquilo que verdadeiramente aconteceu, quer no caso BPN quer nos negócios de casas no Algarve.

Já no final da campanha, falaciosamente, Cavaco recorreu a argumentos chantagistas que visam a sua eleição à primeira volta e o tornam um candidato muito contraditório (destacou o dinheiro que o Estado pouparia no caso de não se realizar uma segunda volta das eleições presidenciais, ainda que a sua campanha tenha sido a mais dispendiosa de todas).

Antevisão das Eleições Presidenciais

Em jeito de balanço, fazendo a antevisão dos resultados da eleições, tenho de admitir que, à partida, Cavaco Silva vencerá as presidenciais à primeira volta, sendo reeleito para o cargo com uma percentagem de votos ligeiramente superior a 50% (sem atingir os 58%), ficando Alegre no 2º lugar com uma percentagem compreendida entre 23% e 30% (sensivelmente).

No entanto, as últimas sondagens revelam uma descida de 7% nas intenções de voto em Cavaco Silva, que se situa agora nos 55%, enquanto Manuel Alegre se mantém aproximadamente constante, algures nos 25% ou 28% (as sondagens divergem bastante, como sabemos). Além disso, é sabido que, nas eleições presidenciais de 2006, não se realizou uma segunda volta por apenas algumas décimas, quando as sondagens à boca das urnas davam a vitória a Cavaco com 60% dos votos. Algo semelhante aconteceu em 2001, quando as sondagens concediam 64% a Jorge Sampaio, que viria a ser reeleito com apenas 55% dos votos dos portugueses (confirmem no quadro que vos apresento aqui em baixo).

Nesse sentido, acredito plenamente na realização de uma segunda volta. Acho bastante verosímil que a percentagem de votos de Cavaco Silva se situe entre os 48% e os 52%, ficando Manuel Alegre algures nos 30%, com Fernando Nobre ultrapassando os 10% ou 12% e os outros 3 candidatos, juntos, perfazendo também cerca de 10%. Tudo isto são especulações, mas parece-me que a segunda volta surge claramente como uma possibilidade em aberto.

Balanço Final: Os Resultados, as Circunstâncias, o Desempenho de Alegre e Imagem de Cavaco

Em suma, penso que a boa campanha de Alegre, mas sobretudo a postura desastrosa de Cavaco Silva, não passarão incólumes. Se o actual PR será reeleito? É provável. No entanto, há que destacar o bom trabalho de Manuel Alegre, cujo desempenho nesta campanha superou as minhas expectativas.

A divisão da esquerda, o sorriso falso e muito enganador de Cavaco, a ideia errónea de que precisamos de Cavaco como garantia da estabilidade governativa (os seus tabus e meias palavras são uma ameaça a esse conceito de estabilidade governativa) e a dificuldade em lidar com a mudança manifestada pelas massas populacionais criaram um ambiente hostil para a candidatura de Manuel Alegre. Todavia, ele a sua equipa de campanha tiveram a sagacidade necessária para inverter esta tendência e transformar as eleições presidenciais num acontecimento político desconfortável para Cavaco Silva, cuja irritação e rancor denunciaram o indivíduo repudiável que se esconde por detrás da máscara.

Mas ainda é possível uma segunda volta! Tudo depende daquilo que os portugueses decidirem amanhã… E espero que os meus compatriotas exerçam o seu direito de voto conscientemente, cientes de que na política não existem inevitáveis e das verdadeiras competências de cada um dos candidatos elegíveis.

Portugal Campeão Europeu de Futebol de Praia 2010!

11 dias decorridos sobre a triunfal conquista da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010, a minha insuperável alegria de adepto fervoroso da selecção nacional ainda não se esgotou e continua a fazer sorrir a minha alma feliz.

Será fácil compreender que, mais de uma semana depois do feito heróico dos guerreiros das areias lusitanas, o sentimento vitorioso que dominou o meu estado de espírito tenha sido de alguma maneira atenuada pelo tempo. De facto, é esta a infeliz razão pela qual não conseguirei traduzir da forma mais adequada o entusiasmo e o deslumbramento com que vivi estes belíssimos momentos do futebol de praia nacional.

No entanto, esta fantástica experiência emocional permanece bem viva na minha mente e será com um enorme prazer que sempre recordarei cada instante daquele dia estóico. Memórias que nunca se apagarão, podem crer.

Uma coisa é certa: Portugal venceu a Liga Europeia de Futebol de Praia 2010 e sagrou-se campeão europeu da modalidade desportiva mais espectacular do planeta! Parabéns a todos, pessoal! Foram extraordinários!

Festejos dos jogadores portugueses no momento em que recebem a taça!

No momento em que o capitão português Madjer ergueu a taça da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010, todos os jogadores e membros da equipa técnica festejaram efusivamente a grande conquista do desporto nacional! Somos enormes! Grande feito! Parabéns, Portugal!

Liga Europeia de Futebol de Praia 2010: Superfinal em Lisboa

Para quem não se encontra dentro do assunto, direi rapidamente que a Liga Europeia de Futebol de Praia consiste na numa competição anual, que compreende uma fase regular (composta por várias etapas) e uma Superfinal, sendo todos estes torneios disputados ao longo dos meses de Verão, em diferentes locais do continente europeu. Sendo considerada a competição mais importante do futebol de praia europeu, todas as grandes selecções ambicionam a sua conquista, numa série de combates épicos cujo vencedor final sai de sobremaneira glorificado.

Em 2010, após uma fase regular muito dinâmica com 4 etapas disputadas em Moscovo, Marselha, Lignano Sabbiadoro e Haia, a Superfinal foi disputada em Lisboa, entre os dias 26 e 29 de Agosto, sendo o palco escolhido para o evento a arena montada no Terreiro das Missas, mesmo em frente ao Palácio de Belém. Seguindo este link, poderão encontrar informação detalhada acerca do evento, incluindo as equipas participantes e o formato da competição.

Portugal em Grande no Grupo A da Superfinal

Ora, na grande Superfinal da Liga Europeia, a selecção nacional de futebol de praia, jogando diante dos seus adeptos, não tinha outro pensamento em mente que não a vitória no torneio e a conquista do título de campeão europeu! Foi com esta disposição que os jogadores portugueses entraram em campo, demonstrando uma energia e uma vontade sem precedentes. Portugal apresentou uma mistura inteligente de concentração, paciência e criatividade, praticando um futebol de praia elegante e eficaz, dedicando também particular atenção ao aspecto defensivo.

Foi graças a esta postura de campeões (porque foi essa a postura ostentada pelos nossos atletas) que Portugal passou no primeiro teste com distinção, superando com classe os seus dois primeiros adversários, passo a citar, a imprevisibilidade dos surpreendentes romenos e a frieza física tipicamente russa. Para ser mais específico, direi que a selecção portuguesa goleou a Roménia por 6 bolas a 1 e venceu a Rússia com 4 golos contra 2 da equipa de leste.

A solidez defensiva foi um dos pilares da selecção nacional ao longo do torneio.

A solidez defensiva foi um pilar fundamental da selecção nacional ao longo do torneio, com apenas 5 golos sofridos em 3 jogos. Na imagem, Bruno Novo atrasa a bola para o guarda-redes João Carlos, na ponta final do Portugal vs Roménia, que Portugal venceu por 6-1.

Assim, com dois triunfos em outros tantos jogos, Portugal alcançou o 1º lugar no grupo A da Superfinal, com 6 pontos, enquanto a Rússia, que derrotara a Roménia por 6 bolas a 4, se classificou na 2ª posição com 3 pontos, deixando os romenos no derradeiro posto do grupo sem terem pontuado. A vitória no grupo dava acesso directo à final, pelo que Portugal marcaria presença no tão esperado jogo do título, a ter lugar no Domingo, 29 de Agosto. Na grande final, Portugal defrontaria a Itália, vencedora do grupo B. Os resultados de todos os jogos da fase de grupos, as classificações finais dos grupos e os resumos dos três primeiros dias de competição estão disponíveis aqui.

A Final!

Uma vez eliminada a perigosa selecção russa, actual grande rival de Portugal na luta pela hegemonia europeia, Portugal tinha todas as condições para recuperar o título continental, precisando para isso de vencer apenas mais um jogo. Mas o adversário não ia ser nada fácil, pois a Itália surgia em Lisboa muito renovada, com um novo treinador que revolucionara positivamente a equipa, lançando os Azurri num colossal rumo vitorioso que só poderia ser quebrado por uma grande equipa. Portugal precisaria assim do seu melhor futebol de praia para levar de vencida uma selecção disposta a tudo para conseguir o título europeu!

Componente circunstancial 1: Belchior suspenso, Madjer lesionado

Todavia, Portugal encontrou várias adversidades neste jogo decisivo da Liga Europeia 2010. A ausência forçada de Belchior, suspenso por acumulação de cartões amarelos nos jogos anteriores, era naturalmente um contratempo ao qual o seleccionador nacional José Miguel Mateus teria de saber reagir. Além disso, Madjer, que havia sido o herói do dia anterior frente à Rússia, ainda não estava a 100%, fruto de uma lesão lombar que ainda não tinha ultrapassado completamente.

A situação agravou-se no decorrer do jogo, quando o número 7 de Portugal, ainda no 1º período, numa queda infeliz decorrente de uma das suas espectaculares acrobacias, se ressentiu da sua fustigantes lesão e teve de abandonar o campo, envolto num mar de dores que não podiam ser bom presságio. Ainda assim, graças ao bom trabalho do enfermeiro Farinha e à força de vontade inesgotável de João Vítor Saraiva, o Madjer ainda voltou a entrar em campo, mas fez menos minutos do que costuma e o seu rendimento foi mais baixo do que o habitual, apesar de ter ficado muito perto do golo por várias ocasiões.

Esta coragem do capitão português, disposto aos mais penosos sacrifícios na luta pela vitória, faz de João Vítor Saraiva um grande jogador!

Madjer numa das suas fabulosas acrobacias, ainda no 1º período de jogo, que acabariam por agravar a sua lesão. Esta coragem do capitão português, disposto aos mais penosos sacrifícios na luta pela vitória do seu país, faz de João Vítor Saraiva um grande jogador! Magnífico!

Componente circunstancial 2: Azar com os ferros, Rasulo e Del Mestre.

Além dos problemas associados à ausência de Belchior e aos problemas físicos de Madjer, Portugal não foi bafejado pela sorte neste derradeiro jogo da temporada europeia. Por duas vezes os jogadores portugueses acertaram nos ferros da baliza transalpina: a primeira num livre directo de Jordan, cujo tiro de raiva embateu violentamente no poste, a segunda no remate desafortunado de Alan, com a bola a ressaltar na areia e a subir demasiado, tocando na barra e passando por cima da baliza italiana.

Foram de facto muitos os remates lusitanos que não conheceram as redes Azurras por puro milagre, também porque os guarda-redes adversários protagonizaram uma série de defesas impossíveis, como uma defesa de Rasulo com as pernas a um remate poderoso de Madjer e uma defesa também com os membros inferiores de Del Mestre, que no início do 3º período parou incrivelmente um fantástico pontapé de bicicleta de Jordan. Enfim, foram estas apenas algumas das situações em que o azar bateu à porta de Portugal, mas acreditem, estimados leitores, que não foram as únicas.

Superação Total: Fulgor Lusitano!

Como facilmente terão percebido, não foi nada fácil a tarefa portuguesa nesta final da Liga Europeia. A excelente qualidade evidenciada pelos adversários, os contratempos referentes a problemas com os nossos jogadores e a falta de sorte que acompanhou Portugal até ao apito final do árbitro constituíram um forte entrave ao triunfo da equipa das quinas, que teve de dar o seu melhor para alcançar a almejada vitória.

Não obstante todas adversidades anteriormente numeradas, os jogadores da selecção nacional portaram-se como verdadeiros heróis, lutando com todas as suas forças, alimentados pelo desejo de colocar o nome do seu país no lugar mais alto do pódio. Aplicando na perfeição os processos de jogo implementados pelo seu treinador, cumprindo todas as indicações do mestre tanto a atacar como a defender, Portugal protagonizou uma excelente exibição, alicerçada numa base defensiva muito sólida e na técnica fantástica dos seus jogadores, capazes de desequilibrar o encontro a qualquer momento.

O jogo: Até ao golo de Gori

A Itália manteve-se sempre na discussão do resultado, com grande espírito guerreiro, e apesar da superioridade lusitana, nunca desanimou, o que proporcionou uma grande final.

A Itália manteve-se sempre na discussão do resultado, com grande espírito guerreiro e nunca desistiu, o que proporcionou uma grande final. Na imagem, os jogadores italianos entoam a letra do hino nacional do seu país antes do encontro com Portugal.

Que grande jogo de futebol de praia e que grande conquista da selecção nacional! Praticamente entrou no jogo a perder (1-0) num bom lance de Corosiniti, mas conseguiu empatar (1-1) apenas alguns minutos volvidos, num portentoso remate longínquo de Alan, que veio na sequência de uma fantástica reacção por parte da equipa das quinas! E foi com muita garra, muita dedicação, que procurou o golo até ao fim do 1º período, ainda que sem sucesso. Mas o 2º período também começou com Portugal no ataque e, após uma sucessão de oportunidades por concretizar, Bruno Novo apontou o seu primeiro golo da tarde, num remate acrobático de belo efeito, após passe de Paulo Graça. Um grande golo que deu a vantagem (2-1) mais que merecida àquela que estava a provar ser a melhor equipa.

O 2º período continuou a ser totalmente controlado por Portugal, que tentou ampliar a vantagem, ainda que sem êxito. Ora, na derradeira etapa do encontro, a selecção nacional entrou a todo o gás, em busca do golo da tranquilidade, remetendo os jogadores italianos para o seu meio-campo e reafirmando a determinação lusitana em vencer a partida. Contudo, o terceiro tento português não se verificou e foi mesmo a Itália quem, numa das muito raras  situações de perigo para a baliza de Paulo Graça, chegou ao golo: o estreante Gori empatou a partida (2-2) num espectacular pontapé de bicicleta, que consternou o Terreiro das Missas, numa onda de apreensão que gelou os adeptos…

O jogo: Os melhores vencem no final numa explosão de emoções.

Faltavam nessa altura cerca de 5 minutos para o fim do encontro. A final empatada, entre dois titãs do futebol de praia europeu. Um estádio inteiro sustendo a respiração, aguardando um desfecho emocionante para um jogo que seria, com toda a certeza, épico. Estaria a Itália em vantagem psicológica, atendendo ao contexto em que o tento de Gori surgiu? Talvez, mas Portugal continuou a fazer o seu jogo, com serenidade e confiança, sem nunca se desorientar e mantendo sempre o rumo correcto. A consistência táctica de Portugal não foi nada afectada, o que permitiu conter de forma impecável o ímpeto italiano, que não causou estragos na defensiva lusitana. Vigiada a situação a nível defensivo, era urgente repor a vantagem no marcador, algo que requereria um acto de bravura, um momento de inspiração apenas possível para um grande jogador! E, desta vez, esse grande jogador não foi Madjer, nem Alan, nem Belchior, mas sim o grande Bruno Novo!

Uma corrida desconcertante do número 18 de Portugal por entre os defesas italianos colocou o nosso jogador em excelente posição para receber o lançamento de Paulo Graça, que funcionou como um passe soberbo para o remate violentíssimo do Bruno Novo, na direcção das baliza transalpina. Apesar da pontaria e da potência do pontapé, o implacável Del Mestre ainda conseguiu conter esta tentativa do herói da Nazaré, mas nada pode fazer contra a recarga vitoriosa do atleta lusitano: recepção sublime com o joelho direito e tiro certeiro com o pé esquerdo, com a bola a passar rente ao poste sem grandes hipóteses para o pobre guarda-redes Azurri.

Era a loucura no estádio de Belém! O público de pé, a gritar e a aplaudir a nossa selecção! Ambiente ao rubro nas bancadas, com os espectadores em êxtase graças à vantagem de Portugal! Os atletas a festejar, de forma efusiva, o brilhantismo do Bruno Novo, em particular o próprio, que esboçou uma série de gestos triunfais enquanto berrava, celebrando o 3-2, apenas antes de ser abalroado pelo Bilro, também ele em delírio!

E foi com num clima de grande tensão que assistimos (pois eu estava lá) aos 3 últimos minutos do jogo, em que o espírito de entreajuda e a solidez defensiva demonstrados pela nossa selecção conseguiram assegurar a inviolabilidade das redes lusitanas! Paulo Graça impecável, defendendo um livre perigoso de Carotenuto, a menos de 1 minuto do fim, foi juntamente com Bilro, Marinho e Coimbra o herói dessa fase do jogo, na qual o resultado não sofreria alterações. O apito final acabou por soar, 36 minutos decorridos desde o início deste jogo memorável, que consagrou Portugal campeão europeu de futebol de praia 2010!

Este vídeo diz respeito aos derradeiros instantes do jogo, a partir da defesa de Paulo Graça ao livre de Carotenuto, incluindo o princípio da festa. Agradeço ao adepto (desconhecido) que filmou o vídeo, proporcionando um enriquecimento deste post no meu blogue!

A Festa depois do jogo: Absolutamente descomunal!

É verdade que chorei. Sim, chorei, e não me envergonho disso, antes pelo contrário: acho que expressei verdadeiramente os meus mais profundos sentimentos naquele momento e fico feliz por pensar que vivi esta experiência extraordinária em toda a sua dimensão. Não numa perspectiva de fanatismo (o que pode ser facilmente refutado se tivermos em conta os autógrafos que pedi a jogadores de outras selecções no decorrer do evento), mas de uma forma saudável que me permitiu desfrutar ao máximo deste triunfo histórico e desta alegria imensa que foi assistir ao vivo pela primeira vez a uma grande conquista da selecção nacional.

Mas, embora os meus rituais sejam raros entre os restantes membros da plateia, ninguém foi indiferente ao grande feito que o futebol de praia português acabava de alcançar, algo que foi bem visível na forma como o público participou na festa e aplaudiu com entusiasmo os grandes heróis das areias lusitanas! Sim, todo o estádio vibrou em uníssono com a magia da selecção nacional, cuja bravura e dedicação às cores nacionais lhe proporcionou um brilhante título europeu! E foi decerto um dia especial na carreira dos atletas, assim acarinhados pelo apoio do público da capital!

Os heróis lusitanos celebraram efusivamente a conquista da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010! Novamente Campeões Europeus! Parabéns a todo este grupo fantástico! São os maiores!

Os heróis lusitanos celebraram efusivamente a conquista da Liga Europeia de Futebol de Praia! Novamente Campeões Europeus! Parabéns a todo este grupo fantástico! São os maiores!

O momento em que o troféu foi entregue à selecção nacional foi inesquecível e marcou mais um passo na História do futebol de praia nacional e europeu. Somos novamente Campeões da Europa! Parabéns a todos, amigos!

Madjer, Melhor Jogador do Torneio (outra vez)

A distinção do Madjer como melhor jogador do torneio foi um prémio justo pela forma corajosa como o lendário craque português entrou em campo, numa luta dupla contra os seus adversários e uma lesão fustigante que o atormentou durante toda a competição. O Madjer fez tudo o que podia, pondo em risco a sua própria integridade física para servir o país ao qual tanto tem dado, acabando por se revelar determinante para a conquista do troféu, dada a imprescindibilidade do seu hat trick frente à Rússia para que Portugal marcasse presença na final.

A imagem aguerrida do capitão luso, que mesmo a precisar de uma cama ficou diversas vezes perto do golo diante da Itália, faz dele uma figura incontornável da modalidade na Europa e o jogador que, sem dúvida alguma (e sem querer tirar mérito ao Stankovic) mais merecia esta distinção (foi considerado melhor jogador da Liga Europeia pela 5ª vez). Enquanto o Madjer recebia o distintivo das mãos do doutor João Morais, com a mão atrás das costas de maneira a aliviar as dores, o público delirava com a atribuição do prémio individual mais honroso ao grande craque português.

Grandes jogadores! Mas que trio!

Madjer, eleito melhor jogador da Liga Europeia de Futebol de praia 2010, juntamente com os vencedores dos outros prémios: Andrey Bukhlitskiy, melhor guarda-redes, e Dejan Stankovic, melhor marcador do evento com 8 golos. Mas que trio! Parabéns aos três, sobretudo ao Madjer!

Gostaria também de dizer, rapidamente, num parênteses rápido, que havia outros jogadores na selecção nacional com credenciais para conquistar o prémio de melhor jogador, nomeadamente o Alan, elemento fundamental na conquista do troféu, determinante na construção do jogo de Portugal e detentor de uma técnica extraordinária, e o Bruno Novo, que afinal acabou por ser o herói da final, bem como o melhor marcador da selecção portuguesa, com 4 golos apontados, contrariando a ideia daqueles pobres ignorantes “treinadores de bancada” para os quais a selecção é só Madjer, Alan e Belchior.

De resto, na minha opinião, gostaria de manifestar a minha convicção de que o Paulo Graça, guarda-redes da selecção nacional, merecia mais do que qualquer outro jogador ter sido eleito melhor guarda-redes da competição, atendendo ao baixíssimo número de golos sofridos (5), às suas defesas espectaculares (e extremamente influentes) e à sua preponderância na organização do jogo ofensivo da nossa selecção. A imprensa preferiu atribuir o prémio ao Andrey Bukhlitskiy, da Rússia, que apesar de não ter sido, na minha opinião, o melhor do torneio, é também um grande guarda-redes, ficando o prémio bem entregue. Para finalizar a listagem dos prémios, resta-me dizer que o já referido Dejan Stankovic se sagrou melhor marcador do torneio, graças aos seus 8 tentos na Superfinal ao serviço da Suíça.

Agradecimentos

Dois grandes guarda-redes de futebol de praia: Paulo Graça e João Carlos Delgado.

João Carlos entra para o lugar de Paulo Graça nos minutos finais da partida frente aos russos. Dois grandes guarda-redes, nos quais temos muito orgulho pela forma destemida como defendem as redes nacionais!

Antes de prosseguir com os agradecimentos a quem contribuiu para este grandioso espectáculo desportivo, social e emocional, gostaria de aconselhar a leitura deste artigo, escrito pelo guarda-redes da selecção nacional João Carlos Delgado, no qual faz um excelente resumo do jogo e da alegria imensa que este grupo maravilhoso viveu ao sabor desta conquista brilhante, expressando também a sua gratidão para com todos os membros da família do futebol de praia nacional. Mais um grande exemplo do espírito de união e amizade que reina na melhor selecção da Europa!

Não posso terminar este post sem agradecer a todos os familiares e amigos que me acompanharam ao longo dos 4 dias de competição, tornando estes momentos ainda mais coloridos e felizes para mim, sobretudo o dia da grande final. Um muito obrigado a todos, porque foram espectaculares no apoio a Portugal neste dia memorável! Adorei a vossa companhia e espero que tenham desfrutado da experiência, tanto do futebol de praia como do espectacular ambiente que vivemos nas bancadas!

E claro, quero deixar aqui as minhas sinceras palavras de agradecimento e admiração por quem, graças ao seu trabalho e esforço pessoal, conseguiu recuperar este título europeu, que nos fugia caprichosamente desde 2008. Um muito obrigado a toda a família da selecção nacional por terem tornado possível esta espectáculo tão belo, que nunca esquecerei, e por me terem sempre recebido com boa disposição e amabilidade ao longo desta temporada de 2010. Foram todos espectaculares e estão de parabéns! Orgulho em ser Português!

Liga Europeia de Futebol de Praia 2010: Terceira Etapa em Lignano Sabbiadoro – Portugal alcança uma vitória retumbante contra os rivais italianos. Suíça vence França.

Paraíso dos turistas!

Lignano Sabbiadoro, bela cidade italiana, acolhe a 3ª etapa da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010.

Saudações a todos os leitores deste blogue e interessados na modalidade do futebol de praia. Hoje, dia 2 de Julho, teve início a terceira etapa da fase regular da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010. Este evento tem lugar no Noroeste de Itália, em Lignano Sabbiadoro, terminando no próximo Domingo, 4 de Julho.

Tal como as etapas anteriores, o torneio está dividido em duas competições, a saber, um torneio da divisão B da Liga Europeia, disputado pelas equipas do Azerbeijão, da Holanda e da República Checa, e uma competição para as equipas da divisão A, que conta com a presença de Portugal, Itália, Suíça e França.

Em cada torneio, as equipas jogam todas umas contra as outras, em formato de liga. O vencedor da competição da divisão B consegue o apuramento para a Promotion Final, o mesmo acontecendo com a equipa classificada em 2º lugar, caso tenha um registo melhor do que o das restantes selecções classificadas na 2ª posição dos outros torneios da divisão B (de momento, é a Alemanha quem ostenta esse registo, com 3 pontos e uma goal average de um golo negativo).

Na divisão A, as equipas acumulam pontos, tendo em vista a progressão no ranking da fase regular, que selecciona as 6 melhores equipas para participar na Superfinal, enquanto a selecção classificada em 8º lugar se vê obrigada a disputar a Promotion Final, lutando pela manutenção na divisão A da Liga Europeia do ano seguinte com 5 equipas vindas da divisão B (os vencedores dos quatro torneios da fase regular e o melhor segundo classificado).

Mas isso será só em Agosto, no final do Verão. Por agora concentremo-nos no torneio de qualificação de Lignano Sabbiadoro!

DIVISÃO B

O primeiro jogo do dia foi o confronto do torneio da divisão B entre Azerbeijão e República Checa. Isto quer dizer que a selecção holandesa ficou de fora do primeiro dia de competição em Lignano Sabbiadoro, deixando a responsabilidade de abrir o torneio da divisão B aos rivais azeris e checos.

AZERBEIJÃO 5 – 4 REPÚBLICA CHECA

Gustavo Zloccowick, mais conhecido por Guga, tem treinado várias selecções, espalhando a magia do futebol de praia um pouco por todo o mundo. Louvável!

Azerbeijão e República Checa são duas equipas a ter em conta quando falamos da segunda linha do futebol de praia europeu. Não são grandes selecções, surgiram há relativamente pouco tempo e ainda evidenciam alguns problemas que as tornam mais vulneráveis, mas têm vindo a crescer e um excelente ritmo nos últimos anos: os checos, terminaram a Liga Europeia de 2008 num brilhante 6º lugar, após terem conseguido o apuramento para a Superfinal, enquanto os azeris, que já foram treinados pelo brasileiro Guga, chegaram aos quartos-de-final do torneio de qualificação para o Mundial 2009.

Estas duas equipas nunca se haviam defrontado na história do futebol de praia, mas terão uma nova oportunidade dentro em breve, no torneio de qualificação para o Mundial 2011, a disputar nas próximas semanas em Bibione, também na Itália. De facto, Azerbeijão e República Checa foram inseridos no mesmo grupo, tendo como outros adversários a França e o Cazaquistão. Isto significa que, além da importância do jogo de hoje em termos de Liga Europeia, o duelo tinha particular importância por servir de preparação para o grande jogo do torneio de apuramento para o campeonato do mundo. Mas falemos agora sobre o jogo em si.

1º período: Azerbeijão começa de forma explosiva. Checos não conseguem marcar.

No primeiro período, os azeris entraram muito bem no jogo, marcando dois golos muito cedo, ainda nos dois primeiros minutos de jogo. No primeiro golo, o capitão azerbeijanês Elshad Guliyev rematou de muito longe, contando com a ajuda da areia, que desviou a bola na direcção da baliza. O segundo tento foi apontado por Elvin Guliyev, num remate forte após um bom passe do irmão Elshad Guliyev.

Os checos não conseguiram travar a energia azerbeijã e cedo se encontraram numa situação muito desfavorável, mas foram conseguindo conter a energia dos jogadores adversários, começando a chegar com perigo à baliza defendida pelo guarda-redes Kurdov. Contudo, o Azerbeijão, tacticamente superior tanto no ataque como na defesa, conseguiu segurar a vantagem, apesar dos eforços da República Checa, que chegou a conseguir atirar uma bola à barra. Resultado no final do 1º período: 2-0, com vantagem para a selecção azeri.

2º período: 6 golos e muita emoção! Azerbeijão permanece na frente.

O 2º período começou de uma forma totalmente diferente, com os checos a procurar o empate com determinação, jogando sem medo, exercendo uma pressão intensa sobre a selecção azerbeijã, que pareceu entrar em campo com alguma timidez. A República Checa conseguiu chegar ao primeiro golo por intermédio de Salak, na recarga após um remate forte de um colega de equipa. A vantagem do Azerbeijão não durou muito tempo, pois o mesmo Salak fez o empate alguns instantes depois, emendando um remate fraco de Dlouhy. 2-2 no marcador, resultado que se desfez na jogada seguinte, quando Zeynalov aproveitou da melhor maneira o pontapé de saída para fazer o terceiro golo da sua equipa: 3-2, vencia o Azerbeijão.

O jogo estava emocionante e assim continuou até ao fim do 2º período. O mesmo Zeynalov tentou marcar o seu segundo golo da tarde através de um remate acrobático, mas a bola saiu por cima da baliza, numa altura em que os Azeris pareciam ter retomado o controlo do jogo. Contudo, a reacção checa não se fez esperar, com Salak a empatar de novo a partida, apontando o terceiro golo na sua conta pessoal: Dlouhy conduziu o ataque com garra, fez o passe para Salak à meia volta e este não teve dificuldades em bater o guardião Kurdov: 3-3. O Azerbeijão voltava a pagar caro pelas suas falhas defensivas, muito bem aproveitadas pela atitude enérgica da República Checa.

Após um período do jogo com oportunidades para ambas as selecções, incluindo um cabeceamento de Cibula, da República Checa, ao poste da baliza azeri, e outro remate de cabeça, de Elvin Guliyev, que acertou em cheio na trave da baliza contrária, foi a equipa azerbeijã quem conseguiu chegar ao golo, com Huseynov a finalizar da melhor maneira um livre do meio campo, castigando um segundo atraso por parte dos checos: 4-3. E os problemas dos checos não ficaram por aqui, já que o Azerbeijão continuou a atacar, ampliando rapidamente a vantagem, num grande trabalho de Azizzade, que tocou a bola por cima de um adversário e rematou forte para o fundo das redes checas: era o 5-3, resultado que se manteve até ao fim do 2º período, apesar dos esforços da República Checa, incluindo um remate de Kovarek à barra da baliza de Kurdov.

3º período: República Checa tenta, mas não consegue empatar. Azerbeijão seguro, mas com azar.

O 3º período viu novamente uma selecção checa que entrou muito pressionante,  procurando golos que lhe permitissem permanecer na discussão do resultado. Porém, o Azerbeijão esteve bem a defender e acabou por conseguir sacudir a pressão dos checos, chegando com perigo à baliza checa, com um remate à trave de Zeynalov. Ainda assim, a República Checa não desistia e acabou mesmo por chegar ao golo: Salak, o jogador checo que mais se destacou, levantou a bola e rematou à meia volta, num belo gesto técnico, com a bola a embater no poste e a sobrar para Kuchera, que reduziu para 5-4 e manteve vivas as esperanças da equipa checa. Apesar disso, o resultado não sofreu mais alterações, com o Azerbeijão a resistir com bravura às tentativas dos checos, gerindo a vantagem com distinção e criando também algumas oportunidades de golo (contando com um remate ao poste de Elvin Guliyev).

Resultado final: 5-4 favorável aos azeris, num jogo em que a disciplina táctica se sobrepôs ao lado mais físico do futebol de praia. O Azerbeijão conquistou assim 3 pontos que poderão vir a ser preciosos nesta competição, ficando bem lançado rumo ao apuramento para a Promotion Final, enquanto a República Checa se encontra numa situação muito complicada, precisando de vencer a Holanda em tempo regulamentar e esperar que a Holanda derrote o Azerbeijão, também em tempo regulamentar, para ter esperanças de vencer este torneio de divisão B.

DIVISÃO A

Os jogos referentes ao torneio da divisão A neste primeiro dia de competição foram um interessante confronto entre França e Suíça, que terminou com o esperado triunfo dos helvéticos por 5-1, e um fantástico duelo entre portugueses e italianos, com a selecção nacional a sair vencedora por claros 6-2.

SUÍÇA 5 – 1 FRANÇA

Neste primeiro jogo da competição da divisão A defrontavam-se as únicas equipas que ainda não tinham pontuado nesta edição da Liga Europeia, mas por razões bem diferentes: a França porque saíra derrotada dos três jogos que disputara na segunda etapa da fase regular, em Marselha; a Suíça porque simplesmente ainda não tinha participado em nenhum evento da fase regular da Liga Europeia, tendo a sua estreia neste torneio em Lignano Sabbiadoro. De qualquer forma, qualquer uma das equipas só tinha a vitória em mente.

O cinco inicial da Suíça foi composto por Valentim (guarda-redes), Leu, Ziegler, Spacca e Stankovic, enquanto a França entrou em campo com Hamel (guarda-redes), François, Mendy, Basquaise e Sciortino.

O jogo: Suíça indiscutivelmente mais forte. França nada eficaz. Resultado justo.

Suíça domina.

A Suíça venceu a França sem grandes dificuldades. Na imagem, Jeremy Basquaise, capitão francês, luta pela posse de bola com Stephan Leu, capitão suíço. Dois grandes jogadores!

O jogo começou com algum equilíbrio, sendo notável a forma como a equipa francesa encarou o desafio, dispondo das primeiras oportunidades de golo. No entanto, como sempre, faltou a capacidade de finalização aos jogadores gauleses, que cedo enfrentaram sérias dificuldades defensivas, devido às rápidas combinações dos suíços no ataque. Os helvéticos, embora não controlassem propriamente o jogo, eram a equipa mais perigosa e foi num magnífico lance de inspiração que Stephan Leu, num remate de muito longe, bateu o guardião francês Sebastien Hamel: 1-0 favorável aos suíços, resultado que se manteve até ao fim do 1º período.

O 2º período trouxe uma França mais atrevida do que nos 12 minutos iniciais, mas só durante os primeiros minutos. Após algumas oportunidades desperdiçadas pelos jogadores franceses, numa fase em que os suíços pareciam ter algumas dificuldades na contenção do jogo gaulês, os comandados de Eric Cantona voltaram a ser dominados pelos suíços, que mais tarde ou mais cedo acabariam por marcar. E se Dejan Stankovic, a principal estrela da selecção helvética, cabeceou ao lado na sequência de um pontapé de canto cobrado na esquerda, o mesmo não aconteceu com Samuel Lutz, que aproveitou da melhor maneira uma tremenda falha de marcação da defensiva francesa para colocar a bola no interior da baliza de Hamel, após um outro canto.

O 2-0 não durou muito tempo, já que os suíços voltaram à carga poucos instantes depois, e desta vez por intermédio do melhor jogador do Mundial FIFA 2009, Stankovic: num lance rápido de contra-ataque, o número 9 da Suíça chutou forte para o fundo das redes gaulesas, num remate fantástico, dotado de uma potência extraordinária, num gesto prodigioso do atleta helvético. 3-0 no marcado, resultado que não sofreu alterações até ao fim do 2º período, apesar dos esforços suíços.

No derradeiro período do jogo, a França finalmente conseguiu chegar ao golo, num belo remate de Stéphane François, a bater de muito longe o guarda-redes Valentim Jaeggy. Porém, o 3-1 não constituiu um grande incentivo para os jogadores franceses, que não foram capazes de operar a reviravolta no marcador. Antes pelo contrário, foi a selecção suíça que, com o pragmatismo do costume, ampliou a vantagem, numa grande penalidade facilmente convertida por Stankovic: 4-1 a favor dos suíços, que restabeleceram assim a vantagem de 2 golos. Mais uma vez, a França não soube reagir e foram os helvéticos quem continuou a dominar o jogo, defendendo bem a vantagem e dispondo de algumas oportunidades para a dilatar ainda mais. O jogo continuou assim até ao final, com os gauleses cada vez mais desmotivados, e um golo de Stephan Meier no último segundo do jogo a colocar um ponto final ao quarto desaire consecutivo da França na Liga Europeia: 5-1.

Momento espectacular do capitão francês!

O inconformado Basquaise fez tudo para evitar o desaire da sua selecção, mas não conseguiu marcar. Na imagem, executa um grande pontapé de bicicleta, que infelizmente não deu golo.

Conclusões: Suíça entra com o pé direito. França em sarilhos

Que ilações poderemos nós retirar deste primeiro encontro do torneio da divisão A da Liga Europeia? Para começar, a Suíça, que fez uma boa exibição, conquistou 3 pontos importantes na Liga Europeia, começando da melhor maneira a caminhada rumo à Superfinal de Agosto. Os dois jogos que se avizinham frente a Itália e Portugal serão verdadeiros testes às capacidades dos suíços, que decerto pretendem repetir a vitória de 2008, quando venceram o torneio de Lignano Sabbiadoro.

A França, por seu turno, mostrou a insegurança do costume e perdeu mais uma oportunidade para ganhar pontos que lhe permitam escapar à última posição no ranking da fase regular. Os jogos seguintes serão ainda mais difíceis, frente às selecções italiana e portuguesa que não irão facilitar a tarefa. A França é neste momento a única equipa da divisão A sem qualquer ponto conquistado e parece que vai mesmo ficar no 8º lugar do ranking, sendo obrigada a disputar aPromotion Final em Agosto, com a obrigação de vencer para continuar na divisão A da Liga Europeia em 2010.

Jogadores suíços (Leu, Ziegler, Spacca, Stankovic e Valentin) festejam um golo com alegria contrastante em relação ao misto de desespero e frustração do francês Pagis.

PORTUGAL 6 – 2 ITÁLIA

O jogo final do dia reservou um emocionante duelo entre a selecção da casa e a equipa portuguesa. Os Azurri contaram com o apoio do simpático público de Lignano Sabbiadoro, que apesar de tudo não foi suficiente para encher o estádio montado no local: uma belíssima praia do Mar Adriático.

A selecção italiana partia para este torneio com 5 pontos, resultantes da sua prestação na etapa realizada em Moscovo, precisando de vencer alguns jogos para subir a sua classificação no ranking da fase regular e assegurar a qualificação para a Superfinal da Liga Europeia. Contudo, o verdadeiro objectivo dos transalpinos era (e continua a ser) a conquista desta terceira etapa da fase regular, com um sabor especial por ser disputada diante dos seus fãs.

A selecção portuguesa, por seu turno, chegou a Lignano Sabbiadoro com 3 pontos, obtidos na etapa marselhesa da competição, num torneio em que uma equipa portuguesa diferente da habitual foi ganhando experiência e progredindo jogo após jogo. No entanto, para esta etapa italiana, os objectivos do seleccionador nacional José Miguel são a conquista de pontos que assegurem uma boa classificação no ranking da fase regular e a utilização dos jogos como forma de treino para o torneio de apuramento para o Mundial 2011, tendo convocado para este efeito os jogadores que lhe dão mais garantias.

Antes de começar o jogo, o ambiente entre as equipas era fantástico, caracterizado por uma louvável boa disposição, bem evidente nos cumprimentos calorosos entre os jogadores e na forma amistosa como Madjer e Pasquali, capitães de equipa, trataram do sorteio habitual com os oficiais de arbitragem. Sorrisos, brincadeiras e muita alegria entre jogadores que se conhecem muito bem, sendo inclusivamente colegas de equipa nos clubes italianos que representam (actualmente, Madjer e Belchior jogam na Roma, onde também actuam Pasquali, Carotenuto e Spada). Após o pontapé de saída inicial, os sorrisos desapareceram e os atletas encararam o desafio com a seriedade própria de um grande jogo entre Portugal e Itália. Tinha começado a luta de titãs!

No último confronto entre Portugal e Itália, a selecção nacional derrotou os transalpinos por 10-7. Foi na meia-final da Taça Europa de Futebol de Praia 2010, realizada em Roma. Na imagem, Madjer tenta rematar, com Carotenuto pela frente.

No último confronto entre Portugal e Itália, a selecção nacional derrotou os transalpinos por 10-7. Foi na meia-final da Taça Europa de Futebol de Praia 2010, realizada em Roma. Na imagem, relativa a essa partida, Madjer tenta rematar, com Carotenuto pela frente. Espectáculo!

1º período: Portugal mais forte. Dois golos sem resposta. Paulo Graça em grande!

Portugal alinhou com o guarda-redes Paulo Graça, Coimbra, Alan, Madjer e Belchior, enquanto os italianos iniciaram o jogo com Spada na baliza, Leghissa, Pasquali, Corosiniti e Carotenuto como jogadores de campo. A partida começou equilibrada, com ambas as equipas a tentarem pegar no jogo, mas sem arriscar nada em termos defensivos. O primeiro lance de perigo pertenceu a Alan, que rematou em acrobacia em direcção à baliza italiana, mas o guarda-redes Spada estava atento e desviou para canto.

Portugal mostrou desde cedo uma notável segurança defensiva, que se viria a manter durante os 36 minutos de jogo, sendo uma das chaves para o sucesso lusitano na partida. Com uma organização táctica praticamente perfeita e um guardião inspirado (como sempre), os jogadores portugueses travaram todas as investidas italianas no 1º período, enquanto iam procurando golos no ataque, praticando o seu futebol de praia, de uma forma elegante e eficaz.

Rui Coimbra inaugurou o marcador no início do jogo, num cabeceamento de defesa impossível para Spada, correspondendo da melhor maneira a um lançamento do guarda-redes Paulo Graça. E se o guardião português tinha estado no primeiro golo ao assistir o seu colega de equipa, o segundo tento da equipa das quinas foi mesmo da sua autoria, através de um portentoso remate de muito longe, com a bola a viajar rasteira a grande velocidade na direcção da baliza italiana e Spada a não conseguir suster o remate. Belo momento do nosso guarda-redes, que instantes antes rematara ao poste e já merecia há muito um golo com a camisola da selecção nacional!

Grande ambiente o que se vive na selecção nacional de futebol de praia!

Os craques portugueses, Coimbra e Belchior, festejam um golo lusitano, provavelmente o primeiro, da autoria de Rui Coimbra. Muito bem! Temos equipa! Continuem!

O 2-0 verificado no final do 1º período justificava-se plenamente, pois Portugal tinha sido nitidamente a melhor equipa ao longo dos 12 minutos iniciais, controlando o jogo da melhor forma. Os italianos praticamente só haviam criado perigo na sequência de livres directos, que Paulo Graça se encarregou de defender com distinção!

2º período: Segurança lusitana. Portugal dilata a vantagem. Itália luta sem sucesso.

O 2º período trouxe novas emoções e 4 golos aos adeptos presentes no local e a todos os espectadores que, como eu, acompanhavam a partida pela televisão ou via Internet. O pontapé de saída pertencia à Itália, mas o temível remate de Pasquali foi travado pela barreira. Na primeira jogada da selecção portuguesa, Paulo Graça fez um lançamento longo para a corrida veloz de Belchior pela direita, com um remate forte do número 10 lusitano, defendido por Del Mestre, mas com a bola a ficar à mercê de Madjer, que chegara rapidamente à baliza italiana, preparado para a recarga, que valeu o terceiro golo para Portugal: 3-0 no marcador.

 Dois grandes jogadores, colegas de equipa na AS Roma!

Pasquali tenta escapar ao (im)pressionante Madjer, que segue no seu encalço. Dois grandes jogadores, colegas de equipa na AS Roma!

Não podia ter começado de forma mais favorável a Portugal este 2º período. Moralizados pela larga vantagem obtida, os jogadores portugueses permaneceram no ataque, criando várias oportunidades para dilatar a vantagem. Os pupilos de Giancarlo Magrini, decerto nada satisfeito(s) com o resultado, iam tentando reduzir a desvantagem, mas sem sucesso, graças à fabulosa solidez defensiva da selecção portuguesa. O trio Madjer-Alan-Belchior jogava bom futebol de praia, e foi numa destas jogadas que Portugal chegou ao quarto golo, apontado por Bilro, com assistência de Belchior. Naquela que foi provavelmente a fase mais interessante do jogo, o número 7 italiano Roberto Pasquali marcou o primeiro golo da formação da casa, através de um fortíssimo remate no pontapé de saída, que Paulo Graça não conseguiu suster, apesar de ainda ter tocado na bola.

Após esta parte mais fantástica do jogo, com o resultado em 4-1 favorável a Portugal, os golos começaram a escassear, embora o nível de futebol de praia se mantivesse elevado. Os lusos continuaram a atacar mais durante algum tempo, enquanto Madjer, Alan e Belchior permaneceram em campo, mas a dada altura foi a Itália quem conseguiu pegar no jogo e levar perigo à baliza de Paulo Graça. No entanto, a boa prestação defensiva de Portugal e as defesas de grande nível do guardião luso impediram novos golos italianos.

Entretanto, a selecção nacional nunca abdicou do ataque, e numa altura em que começava a conseguir libertar-se da pressão italiana, Portugal chegou ao quito golo: Paulo Neves foi carregado em falta por Carotenuto ainda na área lusitana e bateu Del Mestre na conversão do livre directo correspondente, num remate forte, bem direccionado, pela areia, com a bola a tocar no poste e a entrar na baliza italiana! Faltavam poucos segundos para terminar o 2º período e foi com 5-1 no marcador que as equipas partiram para intervalo.

3º período: Gestão do resultado. Um golo para cada lado.

O 3º período começou com a selecção nacional no ataque, impulsionada pelas iniciativas de Madjer, Alan e Belchior. Os golos, porém, não surgiram, e os transalpinos, gradualmente, foram conseguindo tomar conta do jogo, procurando desesperadamente um golo que os mantivesse em jogo. Mas mais uma vez a selecção nacional esteve impecável na forma como defendeu, inibindo as investidas italianas, que raramente conduziam a situações de perigo. Quando isso acontecia, estava lá o enorme Paulo Graça para negar o golo aos Azurri. Uma certa falta de acerto ofensivo dos italianos em algumas jogadas também contribuiu para o insucesso da equipa da casa.

Bruno Novo marcou um belo golo numa brilhante jogada individual.

Bruno Novo marcou um belo golo numa brilhante jogada individual. Na imagem, o número 18 português no momento da fotografia de equipa em 2009.

De resto, com Bruno Novo, Jordan e Neves a renderem Alan, Madjer e Belchior, o seleccionador nacional teve a oportunidade de fazer descansar os três jogadores mais célebres, sem que os jogadores mais jovens dessem sinais de fraqueza (aquela etapa marselhesa foi de facto fundamental para integrar melhor os jogadores mais novos e subir o seu nível de jogo). E as coisas estavam a correr mesmo bem, porque Portugal também conseguia sair para o ataque, com algumas jogadas de belo efeito, que podiam ter dado golo. O sexto tento acabou mesmo por sair, numa arrancada de Bruno Novo, que depois de roubar a bola a Carotenuto consegui fugir ao atacante italiano e rematar com sucesso para o fundo das redes azurras: 6-1 no marcador.

Após este golo, que matou o jogo, José Miguel substituiu Paulo Graça por João Carlos, que teve a oportunidade de se estrear no torneio, e trocou Bruno Novo por Alan, aproveitando os últimos minutos de jogo para fazer experiências (como forma de treino para a qualificação para o Mundial 2011). O resultado foi muito positivo, com Portugal a dispor de boas oportunidades para dilatar a vantagem, embora tal não tenha acontecido. De facto, foi a Itália quem conseguiu marcar, num pontapé de bicicleta de Pasquale Carotenuto sem hipótese de defesa para João Carlos Delgado. Alguns segundos volvidos, o árbitro apitou para o final do jogo, numa partida em que Portugal triunfou por expressivos 6-2.

A arbitragem fora justa, apesar dos protestos dos jogadores italianos em algumas partes do jogo (naturalmente, falo de Carotenuto e sobretudo Pasquali). Isto numa partida espectacular, com 8 golos, onde se jogou futebol de praia de qualidade, com duas boas equipas, sendo que Portugal se superiorizou claramente à Itália, conseguindo uma vitória merecida.

Selecção Nacional: Ponto da Situação

Assim, a selecção nacional começou da melhor maneira a terceira etapa da Liga Europeia, conquistando 3 pontos importantes para o ranking da fase regular e protagonizando uma excelente exibição diante de um grande adversário, que até jogou bem, apesar de algumas limitações evidentes. Portugal está bem lançado para vencer o torneio e confirmou o seu estatuto como uma das melhores selecções europeias neste momento.

Após a prestação menos bem conseguida na etapa marselhesa da Liga Europeia, muitas vozes da imprensa desportiva se levantaram contra a selecção nacional, considerando as prestações muito abaixo do esperado e duvidando da qualidade de Portugal. Muitas pessoas aproveitaram para insistir na velha história de que a selecção está muito dependente de Madjer, Alan e Belchior. Ora, neste primeiro jogo da etapa italiana, ficou provado que Portugal está actualmente num grande momento de forma, preparado para vencer qualquer equipa e qualquer competição, fazendo frente às saídas de Torres, Sousa e Zé Maria de uma forma exemplar.

Falhas defensivas como esta não se verificaram no jogo com a Itália.

Os jogadores mais jovens da nossa selecção conquistaram experiência na etapa marselhesa, onde evidenciaram alguns problemas que foram exemplarmente corrigidos nos jogos seguintes. Falhas defensivas como a da imagem não se verificaram no jogo com a Itália.

Portugal demonstrou também que os jogadores mais jovens têm qualidade e estão perfeitamente integrados na selecção nacional, sendo possível substituir os jogadores do cinco inicial sem que se verifique um abaixamento do nível de jogo. Aliás, neste maravilhoso jogo entre Portugal e Itália, todos os golos lusos foram apontados por jogadores diferentes, o que significa que 6 atletas portugueses conseguiram inscrever o seu nome na lista dos marcadores. E, na verdade, apenas um desses golos foi apontado por um jogador do trio Madjer-Alan-Belchior (o terceiro golo, da autoria de Madjer), enquanto os restantes 5 tentos foram marcados por outros jogadores. Por isso, acho que é altura de as pessoas admitirem que Portugal tem uma equipa forte em todos os aspectos, muito completa, com excelentes opções no banco e a capacidade para bater qualquer equipa.

Agora é preciso pensar em vencer a França amanhã, por um resultado seguro, com uma exibição personalizada como a de hoje. Seria bom que os jogadores portugueses aproveitassem para marcar mais alguns golos, expressando a sua técnica individual neste jogo que se pode tornar fácil. Mas é preciso cuidado, porque a França é uma equipa com potencialidades, embora estejam a fazer uma campanha desastrosa em 2010. Depois, será necessário derrotar a Suíça com mais uma grande exibição para vencer o torneio e alcançar a melhor classificação possível na fase regular da Liga Europeia.

RESULTADOS E CALENDÁRIO DE JOGOS:

1ª jornada – 2 de Julho:

Divisão B: Azerbeijão 5 – 4 República Checa

Divisão A: Suíça 5 – 1 França

Divisão A: Portugal 6 – 2 Itália

2ª jornada – 3 de Julho:

Divisão B: República Checa – Holanda (Eurosport 2) 14:00

Divisão A: França  – Portugal (Eurosport 2) 15:15

Divisão A: Suíça – Itália (Eurosport 2) 16:30

3ª jornada – 4 de Julho:

Divisão B: Holanda – Azerbeijão (Eurosport 2) 14:00

Divisão A: Portugal – Suíça (Eurosport 2) 15:15

Divisão A: Itália – França (Eurosport 2) 16:30

Nota: Todos os jogos podem ser vistos no site oficial da Beach Soccer World Wide, aqui. Uma vez no site, terão de clicar em Live Broadcast para ter acesso à transmissão dos jogos em directo.

O jogo: Suíça indiscutivelmente mais forte. França nada eficaz. Resultado justo.

Taça da Europa de Futebol de Praia 2010: Portugal e Rússia na grande final rumo ao título continental

Nota: Se procuram informações sobre a Superfinal da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010, realizada em Lisboa, em Belém, visitem este post, onde poderão encontrar tudo o que pretendem.

Queria começar este post com um sincero pedido de desculpas a todos os protagonistas e amantes da modalidade, nos quais me incluo, por não ter actualizado o meu blogue mais cedo, sendo  agora obrigado a falar das duas primeiras jornadas da Taça da Europa em simultâneo.

Passando ao assunto que verdadeiramente interessa, penso que devo começar por dizer que a Taça da Europa de Futebol de Praia Roma 2010 está a ser um sucesso, com muita animação e grandes momentos desportivos. A escolha de Roma para palco da grande competição não podia ser mais acertada, proporcionando um palco fantástico para os combates dos modernos gladiadores, os heróis das praias europeias. Como dizia alguém aqui há uns dias: Uma cidade antiga para uma modalidade recente.

Mas o que tem acontecido ao certo nesta 12ª edição do evento? Quem tem sido o grande destaque deste torneio espectacular? Por onde anda a nossa selecção, a flor das areias lusitanas?

Digamos que as duas equipas apuradas para a final da competição são justamente Portugal e Rússia, o que vem confirmar as minhas expectativas antes da competição, sendo estas as duas selecções que venceram os seus dois jogos até ao momento.

O caso português: Dedicação e entrega sem precedentes

A equipa portuguesa iniciou a competição frente aos rivais helvéticos, liderados pela estrela Dejan Stankovic, que impuseram inúmeras dificuldades a Portugal, parecendo determinados a impedir o sucesso das cores lusas. No entanto, a união e preserverança dos jogadores nacionais acabou por prevalecer, numa partida que se revelou um autêntico duelo de campeões, com luta até ao fim, altura em que um pavoroso pontapé de bicicleta de Madjer deu a vitória ao conjunto português. Faltavam 8 segundos para terminar o jogo e Portugal emergia vitorioso, com 2-1 no marcador!

O segundo jogo dos pupilos de José Miguel Mateus foi outra terrível prova de fogo, num combate por um lugar na final frente aos italianos, anfitriões do torneio. Que grande jogo de futebol de praia! Se a partida anterior de Portugal não fora particularmente pródiga em golos, o mesmo não sucedeu diante dos transalpinos, naquele que será provavelmente o jogo com maior número de golos da competição,com um total de 17 tentos. E, apesar de um começo de jogo complicado, em que a turma portuguesa esteve duas vezes em desvantagem, Portugal conseguiu passar para a frente do marcador e nunca viria a permitir o empate, procedendo a uma boa gestão da vantagem, apesar da excelente reacção italiana.

Madjer, mais uma vez, foi o herói do jogo, ao apontar 4 golos, mas o destaque tem de ir necessariamente para Marco e Jordan, que se estrearam a marcar com a camisola nacional no seu segundo jogo internacional. Do lado adversário, Carotenuto foi o principal destaque do encontro, tanto pela positiva como pela negativa: marcou um hat-trick, deixando os adeptos locais em delírio e incitando os colegas de equipa à reviravolta no marcador, mas também se descontrolou na parte final do jogo, quando os números da vitória portuguesa despertaram o lado conflituoso e violento do seu carácter, originando uma situação desagradável com Paulo Graça, que culminou na expulsão do jogador italiano.

A situação russa: Frieza e profunda determinação

Por seu turno, os russos tiveram de ultrapassar a França, de Eric Cantona, e a Espanha, de Joaquín Alonso, para alcançar a final de Domingo.

O primeiro jogo, apesar do resultado dilatado verificado no fim dos 36 minutos, não foi tão simples como poderia eventualmente parecer, dado que os gauleses deram uma excelente resposta sensivelmente até ao meio do jogo (meio do 2º período). No entanto, a maior qualidade russa acabou por fazer a diferença no decorrer do 2º período, com o 3º segmento de jogo a surgir como uma sucessão de golos da equipa de leste, até atingir o resultado final de 8-2. Destaques russos para Shishin (um dos  meus jogadores favoritos na equipa) e Krasheninikov, ambos com 2 golos.

O segundo jogo dos actuais campeões europeus (a Rússia venceu a Liga Europeia de Futebol de Praia 2009) foi uma meia-final muito disputada entre russos e espanhóis, com o triunfo a acabar por sorrir ao conjunto oriental, que soube recuperar de uma vantagem de dois golos no 2º período para depois dar a volta ao resultado em grande estilo. Mais uma vez, os russos foram extremamente eficazes quando assim foi preciso. Makarov foi um dos principais destaques na equipa russa, ao apontar 2 golos, sendo que Leonov, Gorchinskiy, Shakhmelyan, Eremeev e Krasheninikov também marcaram, contribuindo assim para o 7-5 final (não assisti ao jogo, pois estive fora de casa, mas fiz a gravação para o poder ver depois).

Grande final em perspectiva

É verdade. Portugal e Rússia. Mais uma vez, os dois colossos do futebol de praia europeu voltam a encontrar-se, desta vez em Roma, a capital italiana. O que acontecerá desta vez?

Podemos analisar a questão de muitos pontos de vista diferentes. Historicamente, a Taça da Europa é uma competição favorável a Portugal, sendo que a equipa portuguesa conquistou 6 troféus na competição até ao momento (mais de metade das 11 edições disputadas). Por outro lado, no ano passado, os registos de confrontos entre russos e portugueses são claramente favoráveis aos nossos rivais, que apresentam 3 vitórias em 3 jogos, a última das quais ocorreu na final da Liga Europeia de Futebol de Praia 2009, em Vila Real de Santo António, quando Portugal foi derrotado por 4-3 e cedeu o título de campeão europeu à selecção russa. No entanto, nesta época, que já vai longa para a equipa de leste, os lusitanos já venceram a Rússia por uma vez, na Spring Cup Viseu 2010, que foi precisamente a única derrota dos russos neste ano. Estatisticamente, temos muito equilíbrio, portanto, entre as duas selecções.

Mas o que dizer em relação ás equipas em si? Bem, podemos começar por ter bem assente que se tratam de duas grandes equipas, as melhores do futebol de praia europeu na actualidade, apesar da concorrência da Suíça, da Itália e da Espanha. Selecções muito diferentes, é certo, mas com níveis exibicionais muito semelhantes, sendo provavelmente as únicas que conseguem rivalizar com o Brasil.

Portugal com um estilo mais fluido, mas alegre, com a bola (quase) sempre pelo ar e um estilo espectacular, capaz de fazer as delícias do público mais exigente. A Rússia com um poder físico assinalável, dada a prodigiosa preparação física dos seus atletas, e uma filosofia de jogo marcada pela disciplina táctica e pela frieza de leste, que se reflecte numa grande determinação por parte dos jogadores russos. As duas equipas são verdadeiras potência tanto no ataque como na defesa, embora o rigor defensivo dos russos seja a sua imagem de marca, enquanto Portugal é caracterizado sobretudo pelo seu jogo ofensivo de belo efeito.

Estado Físico e Psicológico

A selecção nacional portuguesa ainda não está na sua máxima força, dado que a época ainda se encontra numa fase inicial e alguns processos ainda têm de ser aperfeiçoados. No entanto, o grande problema reside na saída de três peças fundamentais do jogo da equipa lusitana (Sousa, Torres, Zé Maria), pelo que se tornou necessário chamar novos jogadores, cuja integração na selecção nacional ainda está a decorrer, com sucesso, é certo, mas gradualmente, no tempo que uma renovação da equipa precisa para se verificar. Assim, a qualidade da equipa portuguesa será certamente superior daqui a alguns meses. Mas isso não quer dizer que Portugal não esteja a jogar bem agora, tal como não quer dizer que não vença a Taça da Europa!

Os russos já tinham começado a sua preparação antes do início dos trabalhos da selecção portuguesa, motivo pelo qual levam um avanço natural. Contudo, essa vantagem pode perfeitamente não se materializar, no caso de os jogadores lusos estarem suficientemente concentrados. Além de tudo o mais, a Rússia tem as suas próprias cisões: Egor Shaykov, uma das referências do ataque, abandonou a selecção, devido aos compromissos futebolísticos. No entanto, trata-se de uma única ausência, facilmente colmatada por Eremeev, que se está a destacar no seio da equipa russa. De resto, o treinador anterior, Nikolai Pisarev, demitiu-se do cargo, dado que ia desempenhar uma função na estrutura organizativa do futebol do seu país. Os atletas não ficaram contentes com a decisão, mas tal não se reflectiu no jogo da equipa, até porque o adjunto de Nikolai Pisarev está a fazer um bom trabalho.

Conclusão: não podemos prever o resultado do Portugal vs Rússia da final. Um jogo equilibrado, com muita luta, as equipas com grandes preocupações defensivas e muita insistência no ataque para encontrar espaços que possam conduzir ao golo. Eventualmente, o jogo poderá abrir, mas isso não é muito comum num jogo frente aos russos, a não ser que sejam eles os beneficiados. Acredito na vitória de Portugal e, tendo em conta a forma como os bravos atletas portugueses se bateram perante os seus anteriores adversários, penso que não há razão para não serem capazes de derrotar a Rússia e conquistar o troféu.

FORÇA PORTUGAL!

Spring Cup Viseu 2010: Que pena! Suíça derrota Portugal e Rússia conquista título.

Ao contrário dos dias anteriores, hoje não foi nada fácil tomar a iniciativa de escrever este post sobre a Spring Cup. Na verdade, tenho muita pena de Portugal não ter vencido a competição, tudo por causa de uma derrota infeliz nesta tarde frente à Suíça, por 4-3. No entanto, vejo a redacção deste artigo como um dever, dada a minha paixão pela modalidade do futebol de praia e a grande admiração que tenho pela selecção nacional portuguesa.

Justamente, no jogo que encerrou o torneio indoor em Viseu, os jovens jogadores portugueses deram mais uma vez provas capitais das suas excelentes capacidades, encarando um desafio de grande dificuldade com muita concentração, determinação e vontade de vencer. São os maiores. Por isso me sentiria mal comigo mesmo se não escrevesse este post. E, à medida que as primeiras palavras vão saindo, dando forma às linhas inaugurais deste artigo, vou começando a sentir um enorme alívio por expressar aquilo que penso e sinto com o mundo, partilhando estas emoções de adepto dedicado e fervoroso.

Portugal vs Suíça: o jogo das decisões finais

Depois da vitória da selecção russa sobre a Inglaterra, que eu já previra anteriormente, o confronto entre lusitanos e helvéticos afigurava-se aos olhos dos espectadores como o jogo de todas as decisões, de importância fulcral para a definição da classificação final. Deste modo, em caso de vitória portuguesa, a selecção da casa venceria o troféu, deixando os russos na segunda posição e os suíços na terceira, mas na eventualidade de um triunfo suíço, a campeã seria a selecção de leste, surgindo a confederação helvética em segundo lugar e os lusos em terceiro. Estes cenários verificar-se-iam quer a partida fosse decidida em tempo regulamentar quer a decisão fosse adiada para prolongamento ou grandes penalidades.

Infelizmente, foi a segunda eventualidade que se verificou, com um jogo espectacular, de grande qualidade, no qual a Suíça acabou por emergir como a equipa vitoriosa. O resultado final, com 4 golos helvéticos contra 3 tentos de Portugal, espelhou esse equilíbrio que se fez sentir dentro de campo, numa partida em que o triunfo sorriu à selecção da Europa Central. As duas equipas estão de parabéns pelo seu bom desempenho e pela magnífica actuação com que brindaram o público viseense, exemplar no apoio aos jogadores da selecção nacional, com o Pavilhão Multiusos completamente preenchido, em lotação esgotada.

Os tentos suíços, todos de jogadores diferentes, foram apontados por Meier, Mo, Rodrigues e Stankovic, obtendo o seu oitavo golo na prova. Já Portugal marcou por intermédio do inevitável Belchior, que voltou a bisar, e o incansável Zé Maria, que conseguiu um golo merecido nesta Spring Cup. Portugal terminou o 1º período em vantagem, vencendo por 2-0, mas a Suíça empatou o jogo no 2º período, com dois golos em momentos cruciais. O 3º período trouxe mais emoção ao Pavilhão Multiusos, com Portugal a marcar primeiro, mas a Suíça a reagir com dois golos que lhe valeram a vitória na partida e o 2º lugar na classificação final do torneio.

1º período

Na necessidade de fazer face ao problema causado pela suspensão de Durval, que fora expulso no dia anterior frente aos russos, o seleccionador nacional José Miguel Mateus optou por utilizar o mesmo cinco inicial que jogara a titular nos jogos anteriores, substituindo o jogador castigado pelo número 13, Paulo Neves. Deste modo, Portugal alinhou com Paulo Graça, Sousa, Torres, Neves e Belchior, sendo necessária uma gestão inteligente das substituições para colmatar a ausência de Durval, o que exigiu um esforço adicional aos atletas lusos. Por seu turno, Angelo Schirinzi decidiu proceder a algumas alterações nos titulares em relação ao jogo inaugural diante da Rússia, trocando o guarda-redes Nico Jung pelo seu habitual substituto, Valentim Jaeggy, e o número 7, Sandro Spaccarotella, pelo jovem Michael Rodrigues. Os helvéticos entraram em campo com Vale, Spacca, Leu, Mo e Stankovic.

Se no jogo anterior, diante da Rússia, Portugal tinha apresentado algumas dificuldades no 1º período, desta vez a história da partida foi totalmente diferente, com a selecção nacional a conseguir o comando das operações muito cedo. Após os instantes iniciais da partida, durante os quais se verificou algum equilíbrio de parte a parte, Portugal conseguiu, gradualmente, tomar as rédeas do jogo, começando a criar perigo para a baliza helvética por meio de livres directos e uma ou outra jogada bem executada. Foi através de um livre de Belchior, cobrado no meio-campo russo, descaído para o lado esquerdo, que o número 10 de Portugal fez o primeiro golo da tarde, num remate muito bem direccionado. 1-0 para Portugal.

A Suíça raramente criava perigo, apesar da pressão alta que os jogadores suíços mais avançados no terreno colocavam nos portugueses. O remate de Rodrigues à barra da baliza de Paulo Graça, na sequência do pontapé de saída, foi, no entanto, uma excepção, na medida em que os defesas portugueses protegeram magnificamente as suas redes. Enquanto isso, Portugal ia tentando dilatar a vantagem, praticando uma boa circulação de bola e procurando criar ocasiões de golo, já com a segunda linha em campo. Foi quando Belchior entrou para o lugar do infatigável Torres que a equipa portuguesa chegou ao segundo golo: numa boa jogada de entendimento pela esquerda, entre o jovem capitão e José Maria, Belchior assistiu o colega que, rematando prontamente, introduziu a bola na baliza defendida por Vale. Portugal fazia assim o 2-0 no marcador.

Após este momento espectacular, a equipa portuguesa continuou em busca de novos golos, criando inúmeras situações para marcar. Belchior, Zé Maria, Torres, todos tentaram visar a baliza suíça, que se manteve impenetrável até ao fim do 1º período, para infelicidade dos nossos jogadores, que estavam a protagonizar uma exibição segura e destemida. A vantagem lusa por duas bolas a zero no final desta primeira etapa do jogo era perfeitamente merecida, e não teria sido injusto um resultado mais avolumado. Foi de facto formidável a prestação da selecção nacional, aproveitando uma entrada pouco fulgurante dos helvéticos.

2º período

No segundo período de jogo, as coisas não correram de feição à selecção nacional de futebol de praia, com a Suíça a entrar muito determinada e a conseguir um golo logo nos instantes iniciais. Stephan Meier, um histórico avançado helvético, aproveitou um passe pelo ar para executar um soberbo pontapé de bicicleta, com a bola a entrar na baliza de João Carlos Delgado mesmo junto ao poste. Um grande golo, no qual o guarda-redes português esteve totalmente isento de culpas, e só poderia ter sido evitado com uma marcação mais forte à estrela suíça.

A vantagem de Portugal era assim reduzida para a margem mínima, ficando o marcador em 2-1 a favor da selecção nacional. Este golo moralizou os suíços, que ganharam forças para lutar pelo empate, aproximando-se cada vez mais da baliza portuguesa e dispondo de algumas boas oportunidades. No entanto, graças ao acerto defensivo da nossa equipa e uma tarde concentrada de João Carlos, bem como alguma falta de eficácia dos suíços, permitiu a manutenção do resultado, numa fase do jogo em que Portugal se começou a soltar e a procurar um golo que devolvesse a vantagem de 2 golos.

Foi provavelmente a melhor altura do jogo, com ambas as equipas a praticarem o melhor futebol de praia ofensivo, com ocasiões para as duas equipas, oferecendo muito trabalho aos guarda-redes adversários e proporcionando um espectáculo fantástico ao publico presente. Todavia, a pouco e pouco, Portugal ia começando a dispor de mais oportunidades de golo, que não concretizou por manifesta falta de sorte e grandes actuações dos guarda-redes suíços, Valentim e Nico. A Suíça, que mantinha os índices de competitividade elevados, conferindo uma grande intensidade ao jogo, sem no entanto conseguir a construção de jogadas de perigo, apenas obtinha situações para marcar de bola parada, em livres muito longe da baliza, devido aos nervos dos jogadores portugueses. Felizmente, nenhum destes remates entrou na baliza de João Carlos, exímio na defesa dos poderosos chutos de Meier e companhia.

Apesar da hegemonia lusitana, o terceiro golo tardava em surgir, o que gerava uma grande intranquilidade nos jogadores da selecção nacional. A pouco e pouco, tal como o tinha conseguido, Portugal foi perdendo esse domínio de jogo, com as combinações no ataque a saírem com mais dificuldade e a equipa da Suíça a voltar a criar mais perigo para as redes de lusas. Deste modo, o equilíbrio era a nota dominante no final do 2º período, com ocasiões de golo para os dois lados, sem que as equipas tirassem proveito das mesmas. Por esta altura, quando tudo parecia indicar que Portugal iria para o 3º período em vantagem por um golo, após uma oportunidade desperdiçada por Belchior, um balde de água fria atingiu o Pavilhão Multiusos: o capitão suíço, Moritz Jaeggy, respondendo a um lançamento de Nico Jung, rematou de primeira, à meia volta, fazendo o empate, sem hipóteses para João Carlos.

Uma pequena falha da defensiva portuguesa custava assim a vantagem e o resultado no fim desta segunda etapa era 2-2. A suíça marcava num momento crucial do jogo e anulava o excelente resultado que os pupilos de Zé Miguel haviam trazido do 1º período. De realçar que, apesar do aumento do ritmos de jogo imposto pelos helvéticos, o 2º período foi globalmente equilibrado, incluindo períodos de maior domínio suíço, outros de hegemonia portuguesa e ainda outros em que as duas equipas se equivaleram. Com ambos os guarda-redes de ambas as selecções a serem chamados a intervir várias vezes, foi claramente o melhor período de jogo, no qual a eficácia acabou por ser determinante para que Portugal perdesse a preciosa vantagem.

3º período

Na entrada para o derradeiro segmento do jogo, o seleccionador nacional, desejando repor a vantagem no marcador, colocou em campo um cinco muito ofensivo, com Coimbra, Torres, Belchior e Zé Maria, regressando Paulo Graça à baliza portuguesa. Esta medida teve efeitos extremamente positivos, com Portugal a conseguir chegar ao terceiro golo imediatamente na primeira jogada de perigo: uma grande arrancada de José Maria, passando em velocidade por um defesa suíço, foi a chave para o sucesso deste ataque, com o número 9 português a alcançar a linha de baliza e a meter para Torres, que deixou a bola chegar até Belchior, e o capitão lusitano, com a força espiritual que lhe conhecemos, atirou a contar para o fundo das redes defendidas por Nico. Estava feito o segundo golos de Belchior no encontro, que devolvia a vantagem ao conjunto português, de forma claramente merecida: 3-2 favorável à selecção da casa.

As investidas ofensivas de Portugal não se ficaram por aqui, com o quarteto de jogadores de campo português a prodigalizar aos inúmeros adeptos presentes no recinto as mais belas jogadas de futebol de praia, que por infelicidade não resultaram em novos tentos. Foi pena, porque um golo marcado naquela altura colocaria Portugal numa situação privilegiada, sobretudo pelo impacto psicológico que poderia ter na equipa helvética. Porém, tal não aconteceu, apesar das corajosas tentativas de Torres, Belchior e Zé Maria.

A dado momento, o número 9 português, completamente exausto, teve de ser substituído, e foi exactamente nessa altura que a Suíça, até então perfeitamente inócua no ataque, marcou o seu terceiro golo e voltou a empatar a partida. Rodrigues, o mais jovem talento na equipa de Schirinzi, com sangue português nas veias, na sequência de um lançamento longo de Nico, aproveitou uma desatenção na defesa portuguesa e rematou exemplarmente para o fundo da baliza de Graça, num gesto técnico que demonstra bem as suas enormes aptidões. E assim, numa altura em que Portugal estava inequivocamente por cima do jogo, acabava por sofrer um novo golo do empate, que colocava o resultado em 3-3.

A reacção dos jogadores lusos ao golo suíço foi muito positiva, com a equipa a procurar um quarto golo, lutando contra o cansaço e a fadiga psicológica, apesar do impacto profundo que o golo de Rodrigues teve na selecção nacional. O jogo voltou a ser ligeiramente mais equilibrado, embora Portugal tenha pertencido no comando das operações, dispondo de mais situações de perigo. No entanto, a Suíça também ia criando as suas ocasiões, sendo que o golo poderia surgir para qualquer um dos lados. Infelizmente, a maior concentração dos jogadores suíços acabou por prevalecer sobre a vontade e garra lusitanas, com uma falha de marcação de Coimbra a possibilitar que Dejan Stankovic recebesse a bola numa zona muito propícia a uma boa finalização. O melhor jogador do último mundial, que ainda não marcara nesta tarde, teve a calma suficiente para superar a oposição de Paulo Graça e colocar, pela primeira e única vez no jogo, a sua equipa em vantagem: 4-3 no placar, Portugal em desvantagem.

A menos de 4 minutos do fim do jogo, era urgente conseguir um golo para evitar a derrota e manter vivas as esperanças de conquistar a Spring Cup. Zé Miguel, crente nas capacidades dos seus jogadores, colocou em campo os jogadores mais ofensivos, passando Sousa a colaborar com o trio Torres, Zé Maria e Belchior. Tudo tentaram os nossos atletas para repor a igualdade no marcador, num último esforço titânico, sacrificando tudo o que tinham e o que não tinham, como disse o seleccionador nacional após o jogo, pelo presente que tentaram oferecer ao incansável público viseense. Valorosos guerreiros lusitanos, que tudo fizeram para vencer esta batalha final, travada na cidade do seu chefe mítico, o grande Viriato.

Para grande pesar dos apoiantes da nossa selecção, que encheram as bancadas do Pavilhão Multiusos, e para grande tristeza minha, as tentativas destemidas dos nossos jogadores não foram bem sucedidas, com a vantagem suíça a prevalecer no marcador. A atitude dos atletas lusos, porém, foi louvável, como fiz questão de realçar, impondo uma grande intensidade de jogo e procurando o empate até ao fim, dispondo de inúmeras situações de golo, que não se materializaram pela boa prestação de Nico, o inevitável desgaste físico da nossa selecção e algum azar à mistura.

Naturalmente que tive muita pena de termos perdido, mas a elevada qualidade do futebol de praia apresentado pela selecção nacional neste jogo, numa exibição muito bem conseguida, e sobretudo a postura heróica dos atletas lusitanos, enche-me de orgulho na nossa equipa e deixa-me feliz por admirar e apoiar esta grande família. Como dizia Fernando Pessoa, Tudo vale a pena se a alma não é pequena.

Spring Cup Viseu 2010: Sublime! Portugal vence Rússia em penaltis!

Não caibo em mim de contente. Após uma série de três derrotas frente à selecção russa, no ano de 2009, Portugal voltou a vencer a congénere de leste, com uma exibição segura e personalizada, que acabou por culminar num triunfo em grandes penalidades.

O jogo terminou empatado a três bolas, sendo o equilíbrio e a qualidade das equipas as notas dominantes. Os golos portugueses foram apontados por Belchior, que bisou, e Durval, que marcou por uma ocasião, enquanto os tentos russos tiveram a assinatura de Eremeev, que inaugurou o marcador, e Aksenov, que marcou por duas vezes no último período de jogo.

Dado que em futebol de praia não pode haver empates, a partida continuou, jogando-se 3 minutos de prolongamento. Uma vez que não foi marcado qualquer golo neste período suplementar, a decisão foi adiada para as grandes penalidades, em sistema de morte súbita, com Portugal a executar a primeira grande penalidade de cada série. Belchior e Eremeev marcaram, Torres e Shkarin também, e foi na terceira série que tudo se decidiu: Paulo Neves converteu o seu penalti e Paulo Graça defendeu o remate potente de Makarov, dando assim a vitória às cores nacionais.

Tenho de festejar e desfrutar deste sentimento de alegria que me invade de uma forma muito especial. Foram magníficos, os heróis das praias de Portugal. O poder da juventude lusitana triunfou sobre a frieza táctica dos gelos orientais.

Suíça 4 – 2 Inglaterra: Stankovic marca 4 golos em jogo do qual nada sei

Era o segundo dia de jogos na Spring Cup Viseu 2010. Por volta das 13:30 disputou-se, na arena do Pavilhão Multiusos, a primeira partida do dia, que colocava frente a frente a poderosa selecção helvética e o conjunto britânico, equipa modesta mas muito organizada.

Ambas as equipas tinham perdido os seus jogos no dia inaugural da competição, por isso necessitavam de uma vitória para manter vivas as esperanças de poder vir a conquistar o troféu. Dada a diferença abismal entre as duas selecções, previa-se um triunfo suíço e, presumivelmente, uma eventual goleada, tendo em conta a propensão dos pupilos de Angelo Schirinzi para trucidar as equipas mais débeis.

Conforme se esperava, a Suíça bateu a Inglaterra no primeiro jogo deste segundo dia de jogos da Spring Cup Viseu 2010, somando assim três preciosos pontos. O resultado final foi de 4-2 a favor dos helvéticos, sendo que o Bola de Ouro e Bota de Ouro do Mundial 2009, Dejan Stankovic, voltou a brilhar, marcando 4 golos e guiando a sua equipa à vitória na partida. Temos futebol de praia na Spring Cup!

Recorde-se que este jogo não teve transmissão directa nos canais SPORT TV e, por esse mesmo motivo, não tive a oportunidade de assistir ao confronto, nem pude conferir o seu resultado final. Foi pena, pois gosto muito de ver as actuações da equipa suíça.

Portugal 3 – 3 Rússia | prolongamento: POR 3 – 3 RUS | penaltis: POR 3 – 2 RUS

Infelizmente, devido a um início de tarde atribulado e um almoço tardio, acabei por não assistir aos momentos formais que antecederam o jogo, perdendo assim os hinos nacionais e a entrevista ao seleccionador nacional, mas também os primeiros 6 minutos de jogo, o que não me deixou nada satisfeito. Recorde-se que eu estou a acompanhar os jogos através de emissões online da SPORT TV 2, no extralive.tv, um site que permite a visualização de vários canais de televisão em directo.

Em todo o caso, quando cheguei ao meu quarto, onde o computador já estava no canal SPORT TV 2 do extralive.tv, o continuava a persistir o nulo no marcador, e segundo o narrador e o comentador, o jogo estava a ser muito equilibrado, praticamente sem ocasiões de golo e pouca emoção, num ambiente menos espectacular. Situação esta fácil de compreender, dado que a selecção russa se destaca pela sua enorme frieza defensiva, com um excelente registo de golos sofridos, e Portugal, com muita coesão entre os seus jogadores, também tem demonstrado uma extraordinária solidez ao nível da defesa ao longo deste torneio. De resto, se olharmos para o historial de confrontos entre as duas selecções, as equipas costumam ser muito cautelistas nos instantes iniciais da partida, mantendo a posse de bola e procurando o primeiro golo sem grandes pressas, dando maior importância ao aspecto defensivo.

1º período

Os primeiros momentos do jogo que eu testemunhei corresponderam a um ligeiro ascendente de Portugal no terreno, conseguindo a aproximação à baliza adversária. Contudo, imediatamente após estas ousadias lusitanas, os russos começaram a comandar as operações, logrando criar algumas situações de perigo, inauguradas por um cabeceamento de Strutinskiy para defesa complicada de Paulo Graça. Numa das jogadas seguintes, Bilro teve um momento de infelicidade e, levado pelas emoções da partida, fez uma falta sobre Eremeev muito perto da área portuguesa. O livre directo, em posição privilegiada, foi marcado com sucesso, pelo jogador que havia sofrido a falta, passando assim a Rússia para a frente do marcador. Oh, NÃO!!!

Todavia, decorria ainda o primeiro período de jogo, pelo que Portugal dispunha de muito tempo para alterar os números do marcador. Em todo o caso, o seleccionador nacional, José Miguel Mateus, consciente das dificuldades que a sua equipa estava a enfrentar, resolveu substituir todos os jogadores de campo, regressando ao jogo a mesma equipa que havia iniciado a partida. Com Belchior em campo, o rumo dos acontecimentos mudou radicalmente: a sua impetuosidade natural impeliu a equipa para o ataque e, sem desanimar, os lusos procuraram o golo do empate.

Um remate em pontapé de bicicleta do número 10 de Portugal levou muito perigo à baliza defendida por Ippolitov, pressagiando aquilo que alguns momentos depois se viria a verificar. Numa onda ofensiva da equipa das quinas, aumentando a pressão sobre a defensiva russa, Belchior foi carregado em falta e conquistou um livre muito longe da baliza adversária, atrás da linha imaginária do meio-campo, junto à linha lateral do lado esquerdo. O grau de dificuldade do livre era bem elevado, mas nada que impeça o sucesso do nosso jovem jogador: com um remate potente, direccionando a bola para junto do poste direito da baliza russa, sempre junto ao solo, Belchior beneficiou de um ressalto na areia que enganou Ippolitov para restabelecer a igualdade no marcador: 1-1.

Até ao final do 1º período, Portugal manteve-se mais balanceado no ataque, dispondo de algumas situações para chegar à tão ambicionada vantagem. Belchior, Torres e Durval protagonizaram jogadas de grande entendimento da turma portuguesa, a última das quais estava reservada para os segundos finais do período: Torres apodera-se da bola numa zona de grande perigo e, tendo um defesa adversário pela frente, fez um passe para Durval, que rematou com determinação, mas o guardião russo estava atento e conseguiu desviar para canto, numa defesa de grande nível. No entanto, não houve mais golos e as duas equipas foram empatadas a um a bola para o primeiro intervalo.

2º período

O 2º período foi um pouco semelhante ao primeiro, com a significativa diferença de não ter proporcionado golos aos cerca de mil espectadores que estavam presentes nas bancadas do Pavilhão Multiusos. Nos outros aspectos do jogo, o equilíbrio entre as duas selecções continuou a ser notável, bem como a grande dedicação das equipas ao jogo e o empenho em não conceder qualquer golo. Portugal teve períodos de maior circulação de bola, em que deteve, de certa maneira, o domínio do jogo, tal como a Rússia também dispôs de uma maior circulação de bola em certas fases do 2º período.

No começo do jogo, o conjunto nacional logrou impor um ritmo de jogo mais acentuado, controlando as operações e criando perigo para a baliza adversária. Belchior e Torres entendiam-se às mil maravilhas no ataque lusitano. Este ascendente português acabaria por não se materializar em golos e, progressivamente, a Rússia começou a entrar mais em jogo, equilibrando novamente a partida, quando a segunda equipa portuguesa entrava em campo. A sublinhar a grande capacidade defensiva da selecção nacional que, em momentos de maior pressão por parte dos adversários, não vacilou e conseguiu neutralizar as investidas russas. Enquanto isso, algumas boas combinações de Zé Maria, Neves e Coimbra iam mostrando que Portugal continuava a procurar o golo.

O regresso de Belchior, Torres, Durval e Sousa voltaria a ser benéfico para o conjunto lusitano, que acabaria o 2º período em cima da Rússia, tal como acontecera anteriormente, no 1º período. Sem golos, algumas oportunidades para ambas as equipas, o empate prevaleceu, incólume: 1-1.

3º período: domínio avassalador!

O derradeiro período de jogo, como que naturalmente, reservava emoções mais intensas aos amantes da modalidade que estivessem a seguir o duelo, entre os quais me encontro. A aproximação do fim da partida obrigava ambas as equipas a tentar alcançar a vantagem, apostando um pouco mais no sector ofensivo. De resto, compreende-se facilmente que as equipas arrisquem mais neste 3º período e acabem por ser obrigadas a cometer erros, em virtude do sempre influente factor psicológico.

Devo dizer que Portugal esteve por cima do jogo neste terceiro período, entrando em campo com muita vontade de vencer e acabar com o empate que perseguia as duas equipas desde o tento de Belchior. A Rússia, sempre muito fria e cautelista, parecia determinada a não conceder mais golos, mas não foi capaz de contrariar mais um poderoso ascendente da nossa selecção. Mais uma vez, Belchior liderou o jogo ofensivo de Portugal, iluminando a arena do pavilhão com a sua técnica formidável. Um livre de muito longe foi uma das principais oportunidades para o segundo golo de Portugal, mas Ippolitov conseguiu suster o remate do 10 lusitano, e a recarga de Sousa embateu num defesa russo.

A pressão atacante de Portugal era cada vez mais intensa, permitindo a antevisão do belíssimo momento de futebol de praia que estava para acontecer: Belchior, sensivelmente no meio-campo, levantou a bola e fez um passe soberbo para Torres, e o número 4 português, cheio de inspiração, executou um magnífico pontapé de bicicleta. o remate ainda foi defendido pelo jovem guarda-redes russo, mas Durval, que lutava pelo seu espaço no interior da área russa, chutou triunfalmente a bola para o interior da baliza adversária. Estava feito o segundo golo de Portugal, que pela primeira vez no jogo ficava em vantagem: 2-1 no placar, graças a um golo muito celebrado do jovem Durval.

O jogo estava a aquecer para o lado português, sem que a Rússia conseguisse reagir à superioridade do jogo de Portugal. As jogadas da selecção nacional continuavam a acontecer e, num lance algo confuso, a equipa de todos nós acabaria por dilatar a vantagem. Um jogador português (não me recordo quem) fez um passe para Belchior, mas a bola ia demasiado alta e Ippolitov conseguiu agarrar a bola, saltando sobre o 10 de Portugal, que se baixava para não ser atingido pelo guarda-redes adversário. Porém, este último chocou com Belchior em pleno salto, desequilibrou-se e largou a bola, caindo de forma desamparada na areia, onde acabou por dar uma cambalhota para a frente forçada (deve ter doído!). Ora a bola ficava à mercê do 10 português, que, de baliza aberta, só teve de encostar, marcando mais um golo muito festejado em Viseu (tanto pelo público como pelo próprio Belchior).

Nesta altura, Portugal dispunha de uma confortável vantagem de 2 golos, vencendo por 3-1, e dominava realmente a partida, continuando a criar novas oportunidades para marcar, com a equipa russa sufocada no seu meio-campo. Torres teve nos pés uma soberba ocasião para dilatar ainda mais a vantagem e matar o jogo, após um excelente trabalho de equipa, em combinação com Durval, mas não conseguiu bater Ippolitov, seguro entre os postes.

3º período: Contratempo!

Contudo, quando tudo corria pelo melhor aos pupilos de Zé Miguel, uma perda de bola no ataque viria a alterar o curso do jogo, revelando-se determinante para o resultado final. Com efeito, estando a equipa das quinas concentrada no aspecto ofensivo, acabou por permitir um contra-ataque muito perigoso ao conjunto russo, com a velocidade de Aksenov a fazer a diferença. Durval, que tentava acompanhar a corrida do jogador adversário, não conseguiu chegar a tempo, acabando por travar o jogador em falta. Era um livre muito perigoso para a baliza defendida por Paulo Graça, mas o pior foi a sanção disciplinar aplicada ao jovem português: viu o cartão vermelho e foi expulso do jogo, condenando Portugal a um período de 2 minutos com menos um jogador em campo.

Aksenov, com aquela frieza que caracteriza os russos, não vacilou e aproveitou o livre da melhor maneira, marcando um golo muito importante para a sua equipa, ao reduzir a desvantagem para a margem mínima. Na sequência da alteração inesperada da situação do jogo, o treinador português, José Miguel Mateus, alterou a equipa que estava em campo, trocando Belchior, Torres e Sousa por Zé Maria, Bilro e Coimbra. Esta segunda equipa, deixando de fora Paulo Neves, assumia contornos mais defensivos, evidenciando a preocupação do seleccionador nacional em preservar a vantagem no marcador.

A opção foi acertada, pois o conjunto luso, muito disciplinado, fez tudo o que podia para conservar o resultado, protegendo a baliza de Paulo Graça com bravura! Os três jogadores de campo, muito concentrados, não concederam espaços aos adversários e conseguiram suster o resultado durante grande parte do tempo, mantendo a posse de bola sempre que possível. Porém, a escassos segundos do período de inferioridade numérica, após ter roubado a bola aos atacantes russos, Coimbra, que estava a fazer uma exibição de grande nível, atrapalhou-se perante a pressão dos adversários e acabou por perder a bola numa zona muito perigosa, com os jogadores de leste a serem tremendamente eficazes e a marcarem o golo do empate, apontado por Aksenov com assistência de Krasheninikov. Que pena!

No entanto, apesar deste autêntico balde de água fria, reposta a normalidade do jogo de 5 contra 5, Portugal fez tudo por recuperar a vantagem, jogando com Belchior, Torres, Bilro e Coimbra em campo (Coimbra acabaria por sair para dar lugar a Sousa). O resultado persistiu, obstinado, como se nada o pudesse alterar, mas a selecção nacional tentou de tudo para desequilibrar o jogo e recuperar a vantagem merecida. Várias oportunidades foram criadas pelas cores nacionais, e, é justo dizer, a Rússia também teve uma ou duas suas ocasiões, apesar do ascendente lusitano. De qualquer forma, como já referi, não houve mais golos, nem mesmo quando Belchior rodou sobre um adversário e rematou com a bola a passar muito perto da baliza. Enfim, o 3-3 era um resultado que se aceitava, levando o jogo para prolongamento.

Decisão final: Prolongamento e Grandes Penalidades

Não houve golos nos três minutos de extratime. Ambas as equipas tentaram apontar um derradeiro golo, que lhes conferisse a vitória, sem precisar de recorrer a grandes penalidades. Mais uma vez, a turma portuguesa mostrou uma grande vontade de vencer e uma energia inesgotável, empurrando a Rússia para o seu meio-campo e procurando a criação de situações de perigo. Por seu turno, com a calma e paciência do costume, os russos iam resistindo às investidas lusas, permanecendo sempre perigosos no contra-ataque. Se bem me recordo, houve duas oportunidades para Portugal e um para a Rússia, num prolongamento que obedeceu aos moldes do jogo: equilíbrio dinâmico, com grande acerto defensivo e muita concentração, numa ligeira mas notável supremacia portuguesa que, no entanto, não se materializava em golos.

Os penaltis reservavam uma explosão de emoções ao público presente no Pavilhão Multiusos e aos telespectadores via SPORT TV 2. Após um período de moralização das duas selecções, em que os jogadores de ambas as equipas se prepararam psicologicamente para todas as decisões, o árbitro deu início à marcação de grandes penalidades, com Portugal a marcar primeiro. Belchior, num remate muito forte, cumpriu a sua função, assim como Eremeev, que rematou inteligentemente para o meio da baliza. Torres também marcou, numa grande penalidade superiormente executada, antes de Shkarin fazer o gosto ao pé, num remate que Paulo Graça por pouco não defendia. Foi a vez do jovem Paulo Neves, de Guimarães, enfrentar Ippolitov, e o corajoso atleta conseguiu mesmo bater o guardião russo, antes de Makarov, de quem Portugal guardava más memórias, atirar para uma defesa prodigiosa (mais uma!) do guarda-redes Paulo Graça!

Assim, Portugal derrotou os rivais russófonos com uma gigantesca intervenção do seu valente número 12, que começa a tornar-se um especialista a parar grandes penalidades. Após esta magnífica defesa de futebol de praia, todos os jogadores nacionais correram em direcção a Paulo Graça, abraçando-o e saltando para cima dele, asfixiando o guarda-redes português num fantástico momento de expressão emocional. E todos sorriam, alegremente, delirando com esta grande vitória sobre os eternos rivais de leste, que tanta resistência haviam oferecido, num duelo espectacular, que os viseenses recordarão durante muitos anos!

Spring Cup: situação actual

O panorama actual da Spring Cup Viseu 2010 é muito simples. Portugal lidera a classificação, com 5 pontos, resultantes de uma vitória frente à Inglaterra (3 pontos) e um triunfo em grandes penaltis frente à Rússia (2 pontos). Seguem-se a selecção russa, com 3 pontos, fruto de uma vitória diante dos helvéticos, e a própria Suíça, também com 3 pontos, após o triunfo de hoje contra a equipa britânica. Por fim, a Inglaterra surge no quarto lugar da prova, sem qualquer ponto, dado que perdeu os dois jogos que já disputou, não obstante as suas prestações muito conseguidas.

Amanhã teremos um Rússia vs Inglaterra ao início da tarde, pelas 14:30, sem transmissão televisiva, seguido de um emocionante Portugal vs Suíça, agendado para as 16:00, com transmitido para todo o país via SPORT TV 2, jogo esse que promete e vai decidir a conquista do torneio em Viseu. Já sabem que poderão acompanhar o desafio aqui.

Penso que não é lícito duvidar do triunfo dos russos frente à selecção inglesa, dada a acentuada diferença entre as duas selecções, por muito bem preparados que os bretões se encontrem. Assim, devemos contar com 6  pontos para a Rússia no final desta competição, sendo, por isso, necessário que Portugal vença a Suíça para conquistar a Spring Cup. Caso a Suíça consiga derrotar Portugal, a Rússia será campeã, com os helvéticos em segundo lugar e Portugal na terceira posição. Uma vitória lusitana, pelo contrário, lança os discípulos de José Miguel para o primeiro lugar do torneio, com os russos em segundo e a Suíça em terceiro.

Independentemente das contas, que têm de ser feitas, o objectivo de Portugal seria sempre um e ó um: vencer a Suíça no derradeiro jogo da competição e brindar os adeptos locais com mais uma grande vitória dos lusitanos em terras de Viriato. Por conhecer o espírito de equipa que se vive na selecção nacional e acreditar no valor dos nossos atletas, tenho esperanças numa vitória de Portugal diante dos helvéticos e na conquista da Spring Cup pela selecção nacional. Força, pessoal! Vamos conseguir!

Uma palavra à nossa selecção

Estão todos de parabéns, rapazes. Fizeram um jogo fabuloso, numa prestação ao mais alto nível, demonstrando que, com união e muita determinação, é possível vencer qualquer adversário em quaisquer circunstâncias. Estiveram todos muito bem e foi graças à vossa energia, à vossa garra, à vossa vontade que venceram este desafio. Estou muito orgulhoso de todos e tenho consciência do que esta vitória representa. Depois de três derrotas consecutivas frente aos russos, temos agora uma nova vitória para festejar animadamente! E mais! Provaram que, mesmo sem jogadores como Madjer e Alan, mas também Bruno, Bruno Novo e Tavares, a selecção nacional de futebol de praia tem um vasto plantel, com muita qualidade, numa amostra de juventude que constitui uma receita para o sucesso.

Com apenas um ou dois treinos antes da competição, demonstraram que são uma grande equipa, capazes dos maiores feitos e derrotar as melhores selecções. Claro que a Rússia também estava desfalcada, e ainda poderia fazer melhor do que isto. Mas a forma de jogar deles não muda nada e as novas esperanças também são grandes jogadores. Por essa razão, é sempre extremamente difícil vencer a Rússia e só uma grande selecção consegue essa façanha. Vocês conseguiram. Estão de parabéns!

Paulo Graça, João Carlos, Sousa, Bilro, Coimbra, Torres, Durval, Paulo Neves, Zé Maria e Belchior.

Zé Miguel, Jhony Conceição, Manuel Virgolino, João Morais, Farinha e Juju.

Estão todos de parabéns!

Spring Cup Viseu 2010: Belchior brilha e Portugal bate Inglaterra

Começou hoje a tão esperada Spring Cup Futebol de Praia Viseu 2010. A selecção russa, com uma equipa alternativa, venceu a congénere da Suíça, por 5-4. Portugal, sem Madjer e Alan, bateu a Inglaterra por 3-0, num jogo em que Belchior apontou todos os golos da equipa lusitana. Destaque para a frieza defensiva do colectivo português e para o bom entendimento entre os jogadores no ataque, com jogadas de belo efeito. Estamos no caminho certo!

Como vi os jogos? Muito simples: Limo Verde!

Uma vez que a televisão não incluía os canais SPORT TV e tendo em conta que estava sem acesso à Internet, fui obrigado a encontrar outras formas de assistir aos jogos do primeiro dia de competição. Não era muito difícil. Como já referi no post anterior, se queremos muito ver uma determinada transmissão desportiva da SPORT TV, basta caminhar em direcção a um estabelecimento de restauração perto de casa, com os canais desejados e pessoal simpático, pedir delicadamente para colocar a televisão no programa pretendido e saborear a beleza do desporto enquanto tomamos uma merenda suculenta.

Nesta ordem de ideias, à semelhança do que já fizera nas férias do Verão em 2008 e 2009, dirigi-me ao Limo Verde, um agradável café no centro da Parede (concelho de Cascais), e, educado mas resoluto, expressei o meu desejo humilde de ligar o televisor na SPORT TV 2 para desfrutar das jogadas das melhores selecções da Europa. O meu pedido foi atendido e, em poucos minutos, já estava sentado a uma mesa nas imediações da televisão, aguardando as partidas da Spring Cup enquanto o programa sobre a NBA terminava.

Lanchei um copo do mais delicioso sumo de laranja, acompanhado por uma viciante torrada com manteiga, e depois regalei a vista com o espectáculo do futebol de praia em Viseu, maravilhado com as emoções do Rússia vs Suíça, mas sobretudo com os magníficos pormenores técnicos do Portugal vs Inglaterra! Enquanto os jogos decorriam, as senhoras da Parede, com muitos anos de experiência, que tomavam o seu lanchinho, também iam deitando um olhar ao televisor, curiosas acerca da modalidade que suscitava em mim uma tão grande admiração. De vez em quando, faziam-me uma pergunta, interrogando-me sobre quem estava a jogar, qual era o resultado, quem estava a ganhar e se não era muito cansativo correr na areia. Tudo num bom ambiente, de simpatia e boa disposição, que eu apreciei e espero que se volte a repetir no futuro (já este Verão, provavelmente).

Desde já queria reafirmar o meu agradecimento aos funcionários do café, pelo qual eu sinto um carinho natural desde pequeno, amplificado agora por estes momentos únicos de futebol de praia!

Rússia 5 – 4 Suíça: os russos superaram uma Suíça adormecida, que despertou apenas no 3º período

No jogo que marcou o início da Spring Cup Viseu 2010, via-se muito público nas bancadas do Pavilhão Multiusos, com especial destaque para a população jovem, o que constitui um dado extremamente positivo em termos de crescimento da modalidade. As bancadas, tal como tinha sido anunciado, as bancadas estavam muito perto da areia e o banco de suplentes não era mais do que uma zona estreita onde algumas cadeiras estavam colocadas, para os jogadores se sentarem, entre o campo e a primeira fila das bancadas. A atmosfera era espectacular e todo o pavilhão estava envolvido na festa do futebol de praia. O evento prometia.

Quando a transmissão da SPORT TV 2 teve início, as selecção da Rússia e da Suíça dirigiam-se para o centro do terreno, onde os jogadores foram apresentados e entoaram os respectivos hinos nacionais, perspectivando-se um grande jogo da futebol de praia.

A Suíça ia alinhar com Nico (guarda-redes), Spacca, Leu, Mo e Stankovic, com Schirinzi, Meier, Rodrigues, Kaspar e Valentim (guarda-redes suplente) nas opções para entrada no jogo. Deste modo, a equipa suíça apresentava-se em Viseu com a sua melhor selecção, incluindo os grandes nomes da modalidade na Suíça, sem qualquer excepção. Pelo contrário, a Rússia apostava numa mistura inteligente de alguns jogadores mais experientes e dos seus jovens talentos, a maioria dos quais já se tinha estreado na temporada de 2009, sem, no entanto, se conseguir afirmar como protagonistas da sua selecção. Assim, o conjunto de leste jogou com Ippolitov (guarda-redes), Makarov, Strutinskiy, Shkarin e Eremeev a titulares, mantendo Shakmelyan, Aksenov, Amanov, Krasheninikov, e Krushev (guarda-redes substituto) nas reservas da equipa.

Tendo em conta a constituição das equipas e o maior tempo de preparação da selecção helvética, pensei que seria mais provável um triunfo suíço nesse jogo inaugural da Spring Cup. Enganei-me.

Logo desde o primeiro minuto, a Rússia demonstrou que tinha vindo a Viseu para vencer a Spring Cup, entrando em campo com muita determinação e vontade de ganhar. Na sequência do pontapé de saída, que pertenceu aos suíços, surgiu o primeiro golo dos russos: Spacca falha o passe para um companheiro de equipa e Eremeev, num contra-ataque muito rápido, driblou até ao meio-campo helvético e rematou rasteiro, sem hipótese de defesa para Nico Jung. Com a Rússia em vantagem por 1-0, a Suíça não conseguiu reagir, sendo notável a sua falta de acerto ofensivo. Pelo contrário, os russos, que defendiam com segurança, conseguiram impor o seu jogo, praticando uma excelente circulação de bola, que levaria ao segundo golo da tarde: Eremeev, novamente ele, captou o esférico em posição frontal à baliza suíça e disferiu um forte pontapé, bisando na partida e fazendo o 2-0 favorável à Rússia.

No entanto, no pontapé de saída seguinte, a Suíça conseguiria reduzir a desvantagem, numa magnífica jogada de entendimento entre Mo e Stankovic: após um remate interceptado pela defensiva russa, Mo e Stankovic entenderam-se às mil maravilhas no interior da área russa, conduzindo o ataque pelo lado esquerdo, com o número 9 a aproveitar da melhor forma o espaço e a rematar à baliza adversária, colocando o resultado em 2-1. Estava feito o primeiro golo de Stankovic na competição. Porém, depois de um início de 1º período tão agitado, o jogo mergulhou numa certa monotonia, com a Rússia a dispor de menos oportunidades, baixando o ritmo ofensivo, e a Suíça a procurar o empate de uma forma pouco objectiva e organizada. No entanto, a pouco e pouco, os helvéticos iam tentando, melhorando em termos qualitativos, até chegarem ao golo: num pontapé de canto: Stankovic, fugindo à marcação dos defesas, apareceu ao segundo poste e cabeceou para o fundo da baliza defendida por Ippolitov. 2-2 no placar.

Contudo, os russos reagiram muito bem ao golo do empate, marcando imediatamente na jogada seguinte. De facto, a um excelente trabalhou colectivo seguiu-se uma prodigiosa investida individual de Krasheninikov, que fintou um defesa, passou pelo guarda-redes suíço e, em vez de ir buscar a bola para o remate final, fez uma simulação no interior da área suíça, fingindo que Nico o tinha feito cair. Os árbitros deixaram-se iludir pela queda espalhafatosa do número 5 russo e assinalaram grande penalidade, ignorando os protestos desesperados do guardião suíço. No penalti, Krasheninikov, determinado a tudo para marcar, não facilitou e atirou forte, com a bola a entrar junto ao poste, sem qualquer chance de defesa para o pobre Nico, que não queria acreditar na sua falta de sorte: 3-2 para a Rússia, a poucos segundos do fim do 1º período. A Suíça ainda tentou voltar a repor a igualdade, mas não foi bem sucedida, indo mesmo a perder para o primeiro intervalo.

No 2º período, a tendência seria uma Suíça mais agressiva, com vontade de marcar e lutar pela vitória na partida, tirando partido da técnica dos seus jogadores na disputa do resultado. Os pupilos de Nikolai Pisarev, no entanto, estavam também decididos a manter a vantagem, defendendo com muita concentração e dedicação ao seu país. Foi uma luta interessante, mas a maior disciplina táctica da Rússia acabou por prevalecer sobre a criatividade dos helvéticos, que, apesar da sua vontade de praticar bom futebol de praia, falharam na construção de jogadas verdadeiramente perigosas. A dada altura do jogo, a Rússia conseguiu sacudir a pressão dos suíços, começando a levar muito perigo à baliza de Nico, num fluxo ofensivo que culminaria no quarto golo russo, marcado por Eremeev, na sequência de um pontapé de canto cobrado por Shkarin. 4-2 a favor dos de leste, 3 golos do número 11 da Rússia e a Suíça com a missão mais complicada.

Uma vez que os suíços não conseguiram inverter a situação nos minutos que restavam até ao fim do 2º período, Stankovic e os colegas partiram para os derradeiros 12 minutos de jogo com uma desvantagem por 2 golos. Acabariam por ficar a perder 5-2, com um golos de Aksenov, mas depois Stankovic e Spacca acabariam por reduzir para 5-4, marcando dois golos que se revelariam insuficientes para levar o jogo a prolongamento, apesar dos esforços dos helvéticos.