Spring Cup Viseu 2010: Sublime! Portugal vence Rússia em penaltis!


Não caibo em mim de contente. Após uma série de três derrotas frente à selecção russa, no ano de 2009, Portugal voltou a vencer a congénere de leste, com uma exibição segura e personalizada, que acabou por culminar num triunfo em grandes penalidades.

O jogo terminou empatado a três bolas, sendo o equilíbrio e a qualidade das equipas as notas dominantes. Os golos portugueses foram apontados por Belchior, que bisou, e Durval, que marcou por uma ocasião, enquanto os tentos russos tiveram a assinatura de Eremeev, que inaugurou o marcador, e Aksenov, que marcou por duas vezes no último período de jogo.

Dado que em futebol de praia não pode haver empates, a partida continuou, jogando-se 3 minutos de prolongamento. Uma vez que não foi marcado qualquer golo neste período suplementar, a decisão foi adiada para as grandes penalidades, em sistema de morte súbita, com Portugal a executar a primeira grande penalidade de cada série. Belchior e Eremeev marcaram, Torres e Shkarin também, e foi na terceira série que tudo se decidiu: Paulo Neves converteu o seu penalti e Paulo Graça defendeu o remate potente de Makarov, dando assim a vitória às cores nacionais.

Tenho de festejar e desfrutar deste sentimento de alegria que me invade de uma forma muito especial. Foram magníficos, os heróis das praias de Portugal. O poder da juventude lusitana triunfou sobre a frieza táctica dos gelos orientais.

Suíça 4 – 2 Inglaterra: Stankovic marca 4 golos em jogo do qual nada sei

Era o segundo dia de jogos na Spring Cup Viseu 2010. Por volta das 13:30 disputou-se, na arena do Pavilhão Multiusos, a primeira partida do dia, que colocava frente a frente a poderosa selecção helvética e o conjunto britânico, equipa modesta mas muito organizada.

Ambas as equipas tinham perdido os seus jogos no dia inaugural da competição, por isso necessitavam de uma vitória para manter vivas as esperanças de poder vir a conquistar o troféu. Dada a diferença abismal entre as duas selecções, previa-se um triunfo suíço e, presumivelmente, uma eventual goleada, tendo em conta a propensão dos pupilos de Angelo Schirinzi para trucidar as equipas mais débeis.

Conforme se esperava, a Suíça bateu a Inglaterra no primeiro jogo deste segundo dia de jogos da Spring Cup Viseu 2010, somando assim três preciosos pontos. O resultado final foi de 4-2 a favor dos helvéticos, sendo que o Bola de Ouro e Bota de Ouro do Mundial 2009, Dejan Stankovic, voltou a brilhar, marcando 4 golos e guiando a sua equipa à vitória na partida. Temos futebol de praia na Spring Cup!

Recorde-se que este jogo não teve transmissão directa nos canais SPORT TV e, por esse mesmo motivo, não tive a oportunidade de assistir ao confronto, nem pude conferir o seu resultado final. Foi pena, pois gosto muito de ver as actuações da equipa suíça.

Portugal 3 – 3 Rússia | prolongamento: POR 3 – 3 RUS | penaltis: POR 3 – 2 RUS

Infelizmente, devido a um início de tarde atribulado e um almoço tardio, acabei por não assistir aos momentos formais que antecederam o jogo, perdendo assim os hinos nacionais e a entrevista ao seleccionador nacional, mas também os primeiros 6 minutos de jogo, o que não me deixou nada satisfeito. Recorde-se que eu estou a acompanhar os jogos através de emissões online da SPORT TV 2, no extralive.tv, um site que permite a visualização de vários canais de televisão em directo.

Em todo o caso, quando cheguei ao meu quarto, onde o computador já estava no canal SPORT TV 2 do extralive.tv, o continuava a persistir o nulo no marcador, e segundo o narrador e o comentador, o jogo estava a ser muito equilibrado, praticamente sem ocasiões de golo e pouca emoção, num ambiente menos espectacular. Situação esta fácil de compreender, dado que a selecção russa se destaca pela sua enorme frieza defensiva, com um excelente registo de golos sofridos, e Portugal, com muita coesão entre os seus jogadores, também tem demonstrado uma extraordinária solidez ao nível da defesa ao longo deste torneio. De resto, se olharmos para o historial de confrontos entre as duas selecções, as equipas costumam ser muito cautelistas nos instantes iniciais da partida, mantendo a posse de bola e procurando o primeiro golo sem grandes pressas, dando maior importância ao aspecto defensivo.

1º período

Os primeiros momentos do jogo que eu testemunhei corresponderam a um ligeiro ascendente de Portugal no terreno, conseguindo a aproximação à baliza adversária. Contudo, imediatamente após estas ousadias lusitanas, os russos começaram a comandar as operações, logrando criar algumas situações de perigo, inauguradas por um cabeceamento de Strutinskiy para defesa complicada de Paulo Graça. Numa das jogadas seguintes, Bilro teve um momento de infelicidade e, levado pelas emoções da partida, fez uma falta sobre Eremeev muito perto da área portuguesa. O livre directo, em posição privilegiada, foi marcado com sucesso, pelo jogador que havia sofrido a falta, passando assim a Rússia para a frente do marcador. Oh, NÃO!!!

Todavia, decorria ainda o primeiro período de jogo, pelo que Portugal dispunha de muito tempo para alterar os números do marcador. Em todo o caso, o seleccionador nacional, José Miguel Mateus, consciente das dificuldades que a sua equipa estava a enfrentar, resolveu substituir todos os jogadores de campo, regressando ao jogo a mesma equipa que havia iniciado a partida. Com Belchior em campo, o rumo dos acontecimentos mudou radicalmente: a sua impetuosidade natural impeliu a equipa para o ataque e, sem desanimar, os lusos procuraram o golo do empate.

Um remate em pontapé de bicicleta do número 10 de Portugal levou muito perigo à baliza defendida por Ippolitov, pressagiando aquilo que alguns momentos depois se viria a verificar. Numa onda ofensiva da equipa das quinas, aumentando a pressão sobre a defensiva russa, Belchior foi carregado em falta e conquistou um livre muito longe da baliza adversária, atrás da linha imaginária do meio-campo, junto à linha lateral do lado esquerdo. O grau de dificuldade do livre era bem elevado, mas nada que impeça o sucesso do nosso jovem jogador: com um remate potente, direccionando a bola para junto do poste direito da baliza russa, sempre junto ao solo, Belchior beneficiou de um ressalto na areia que enganou Ippolitov para restabelecer a igualdade no marcador: 1-1.

Até ao final do 1º período, Portugal manteve-se mais balanceado no ataque, dispondo de algumas situações para chegar à tão ambicionada vantagem. Belchior, Torres e Durval protagonizaram jogadas de grande entendimento da turma portuguesa, a última das quais estava reservada para os segundos finais do período: Torres apodera-se da bola numa zona de grande perigo e, tendo um defesa adversário pela frente, fez um passe para Durval, que rematou com determinação, mas o guardião russo estava atento e conseguiu desviar para canto, numa defesa de grande nível. No entanto, não houve mais golos e as duas equipas foram empatadas a um a bola para o primeiro intervalo.

2º período

O 2º período foi um pouco semelhante ao primeiro, com a significativa diferença de não ter proporcionado golos aos cerca de mil espectadores que estavam presentes nas bancadas do Pavilhão Multiusos. Nos outros aspectos do jogo, o equilíbrio entre as duas selecções continuou a ser notável, bem como a grande dedicação das equipas ao jogo e o empenho em não conceder qualquer golo. Portugal teve períodos de maior circulação de bola, em que deteve, de certa maneira, o domínio do jogo, tal como a Rússia também dispôs de uma maior circulação de bola em certas fases do 2º período.

No começo do jogo, o conjunto nacional logrou impor um ritmo de jogo mais acentuado, controlando as operações e criando perigo para a baliza adversária. Belchior e Torres entendiam-se às mil maravilhas no ataque lusitano. Este ascendente português acabaria por não se materializar em golos e, progressivamente, a Rússia começou a entrar mais em jogo, equilibrando novamente a partida, quando a segunda equipa portuguesa entrava em campo. A sublinhar a grande capacidade defensiva da selecção nacional que, em momentos de maior pressão por parte dos adversários, não vacilou e conseguiu neutralizar as investidas russas. Enquanto isso, algumas boas combinações de Zé Maria, Neves e Coimbra iam mostrando que Portugal continuava a procurar o golo.

O regresso de Belchior, Torres, Durval e Sousa voltaria a ser benéfico para o conjunto lusitano, que acabaria o 2º período em cima da Rússia, tal como acontecera anteriormente, no 1º período. Sem golos, algumas oportunidades para ambas as equipas, o empate prevaleceu, incólume: 1-1.

3º período: domínio avassalador!

O derradeiro período de jogo, como que naturalmente, reservava emoções mais intensas aos amantes da modalidade que estivessem a seguir o duelo, entre os quais me encontro. A aproximação do fim da partida obrigava ambas as equipas a tentar alcançar a vantagem, apostando um pouco mais no sector ofensivo. De resto, compreende-se facilmente que as equipas arrisquem mais neste 3º período e acabem por ser obrigadas a cometer erros, em virtude do sempre influente factor psicológico.

Devo dizer que Portugal esteve por cima do jogo neste terceiro período, entrando em campo com muita vontade de vencer e acabar com o empate que perseguia as duas equipas desde o tento de Belchior. A Rússia, sempre muito fria e cautelista, parecia determinada a não conceder mais golos, mas não foi capaz de contrariar mais um poderoso ascendente da nossa selecção. Mais uma vez, Belchior liderou o jogo ofensivo de Portugal, iluminando a arena do pavilhão com a sua técnica formidável. Um livre de muito longe foi uma das principais oportunidades para o segundo golo de Portugal, mas Ippolitov conseguiu suster o remate do 10 lusitano, e a recarga de Sousa embateu num defesa russo.

A pressão atacante de Portugal era cada vez mais intensa, permitindo a antevisão do belíssimo momento de futebol de praia que estava para acontecer: Belchior, sensivelmente no meio-campo, levantou a bola e fez um passe soberbo para Torres, e o número 4 português, cheio de inspiração, executou um magnífico pontapé de bicicleta. o remate ainda foi defendido pelo jovem guarda-redes russo, mas Durval, que lutava pelo seu espaço no interior da área russa, chutou triunfalmente a bola para o interior da baliza adversária. Estava feito o segundo golo de Portugal, que pela primeira vez no jogo ficava em vantagem: 2-1 no placar, graças a um golo muito celebrado do jovem Durval.

O jogo estava a aquecer para o lado português, sem que a Rússia conseguisse reagir à superioridade do jogo de Portugal. As jogadas da selecção nacional continuavam a acontecer e, num lance algo confuso, a equipa de todos nós acabaria por dilatar a vantagem. Um jogador português (não me recordo quem) fez um passe para Belchior, mas a bola ia demasiado alta e Ippolitov conseguiu agarrar a bola, saltando sobre o 10 de Portugal, que se baixava para não ser atingido pelo guarda-redes adversário. Porém, este último chocou com Belchior em pleno salto, desequilibrou-se e largou a bola, caindo de forma desamparada na areia, onde acabou por dar uma cambalhota para a frente forçada (deve ter doído!). Ora a bola ficava à mercê do 10 português, que, de baliza aberta, só teve de encostar, marcando mais um golo muito festejado em Viseu (tanto pelo público como pelo próprio Belchior).

Nesta altura, Portugal dispunha de uma confortável vantagem de 2 golos, vencendo por 3-1, e dominava realmente a partida, continuando a criar novas oportunidades para marcar, com a equipa russa sufocada no seu meio-campo. Torres teve nos pés uma soberba ocasião para dilatar ainda mais a vantagem e matar o jogo, após um excelente trabalho de equipa, em combinação com Durval, mas não conseguiu bater Ippolitov, seguro entre os postes.

3º período: Contratempo!

Contudo, quando tudo corria pelo melhor aos pupilos de Zé Miguel, uma perda de bola no ataque viria a alterar o curso do jogo, revelando-se determinante para o resultado final. Com efeito, estando a equipa das quinas concentrada no aspecto ofensivo, acabou por permitir um contra-ataque muito perigoso ao conjunto russo, com a velocidade de Aksenov a fazer a diferença. Durval, que tentava acompanhar a corrida do jogador adversário, não conseguiu chegar a tempo, acabando por travar o jogador em falta. Era um livre muito perigoso para a baliza defendida por Paulo Graça, mas o pior foi a sanção disciplinar aplicada ao jovem português: viu o cartão vermelho e foi expulso do jogo, condenando Portugal a um período de 2 minutos com menos um jogador em campo.

Aksenov, com aquela frieza que caracteriza os russos, não vacilou e aproveitou o livre da melhor maneira, marcando um golo muito importante para a sua equipa, ao reduzir a desvantagem para a margem mínima. Na sequência da alteração inesperada da situação do jogo, o treinador português, José Miguel Mateus, alterou a equipa que estava em campo, trocando Belchior, Torres e Sousa por Zé Maria, Bilro e Coimbra. Esta segunda equipa, deixando de fora Paulo Neves, assumia contornos mais defensivos, evidenciando a preocupação do seleccionador nacional em preservar a vantagem no marcador.

A opção foi acertada, pois o conjunto luso, muito disciplinado, fez tudo o que podia para conservar o resultado, protegendo a baliza de Paulo Graça com bravura! Os três jogadores de campo, muito concentrados, não concederam espaços aos adversários e conseguiram suster o resultado durante grande parte do tempo, mantendo a posse de bola sempre que possível. Porém, a escassos segundos do período de inferioridade numérica, após ter roubado a bola aos atacantes russos, Coimbra, que estava a fazer uma exibição de grande nível, atrapalhou-se perante a pressão dos adversários e acabou por perder a bola numa zona muito perigosa, com os jogadores de leste a serem tremendamente eficazes e a marcarem o golo do empate, apontado por Aksenov com assistência de Krasheninikov. Que pena!

No entanto, apesar deste autêntico balde de água fria, reposta a normalidade do jogo de 5 contra 5, Portugal fez tudo por recuperar a vantagem, jogando com Belchior, Torres, Bilro e Coimbra em campo (Coimbra acabaria por sair para dar lugar a Sousa). O resultado persistiu, obstinado, como se nada o pudesse alterar, mas a selecção nacional tentou de tudo para desequilibrar o jogo e recuperar a vantagem merecida. Várias oportunidades foram criadas pelas cores nacionais, e, é justo dizer, a Rússia também teve uma ou duas suas ocasiões, apesar do ascendente lusitano. De qualquer forma, como já referi, não houve mais golos, nem mesmo quando Belchior rodou sobre um adversário e rematou com a bola a passar muito perto da baliza. Enfim, o 3-3 era um resultado que se aceitava, levando o jogo para prolongamento.

Decisão final: Prolongamento e Grandes Penalidades

Não houve golos nos três minutos de extratime. Ambas as equipas tentaram apontar um derradeiro golo, que lhes conferisse a vitória, sem precisar de recorrer a grandes penalidades. Mais uma vez, a turma portuguesa mostrou uma grande vontade de vencer e uma energia inesgotável, empurrando a Rússia para o seu meio-campo e procurando a criação de situações de perigo. Por seu turno, com a calma e paciência do costume, os russos iam resistindo às investidas lusas, permanecendo sempre perigosos no contra-ataque. Se bem me recordo, houve duas oportunidades para Portugal e um para a Rússia, num prolongamento que obedeceu aos moldes do jogo: equilíbrio dinâmico, com grande acerto defensivo e muita concentração, numa ligeira mas notável supremacia portuguesa que, no entanto, não se materializava em golos.

Os penaltis reservavam uma explosão de emoções ao público presente no Pavilhão Multiusos e aos telespectadores via SPORT TV 2. Após um período de moralização das duas selecções, em que os jogadores de ambas as equipas se prepararam psicologicamente para todas as decisões, o árbitro deu início à marcação de grandes penalidades, com Portugal a marcar primeiro. Belchior, num remate muito forte, cumpriu a sua função, assim como Eremeev, que rematou inteligentemente para o meio da baliza. Torres também marcou, numa grande penalidade superiormente executada, antes de Shkarin fazer o gosto ao pé, num remate que Paulo Graça por pouco não defendia. Foi a vez do jovem Paulo Neves, de Guimarães, enfrentar Ippolitov, e o corajoso atleta conseguiu mesmo bater o guardião russo, antes de Makarov, de quem Portugal guardava más memórias, atirar para uma defesa prodigiosa (mais uma!) do guarda-redes Paulo Graça!

Assim, Portugal derrotou os rivais russófonos com uma gigantesca intervenção do seu valente número 12, que começa a tornar-se um especialista a parar grandes penalidades. Após esta magnífica defesa de futebol de praia, todos os jogadores nacionais correram em direcção a Paulo Graça, abraçando-o e saltando para cima dele, asfixiando o guarda-redes português num fantástico momento de expressão emocional. E todos sorriam, alegremente, delirando com esta grande vitória sobre os eternos rivais de leste, que tanta resistência haviam oferecido, num duelo espectacular, que os viseenses recordarão durante muitos anos!

Spring Cup: situação actual

O panorama actual da Spring Cup Viseu 2010 é muito simples. Portugal lidera a classificação, com 5 pontos, resultantes de uma vitória frente à Inglaterra (3 pontos) e um triunfo em grandes penaltis frente à Rússia (2 pontos). Seguem-se a selecção russa, com 3 pontos, fruto de uma vitória diante dos helvéticos, e a própria Suíça, também com 3 pontos, após o triunfo de hoje contra a equipa britânica. Por fim, a Inglaterra surge no quarto lugar da prova, sem qualquer ponto, dado que perdeu os dois jogos que já disputou, não obstante as suas prestações muito conseguidas.

Amanhã teremos um Rússia vs Inglaterra ao início da tarde, pelas 14:30, sem transmissão televisiva, seguido de um emocionante Portugal vs Suíça, agendado para as 16:00, com transmitido para todo o país via SPORT TV 2, jogo esse que promete e vai decidir a conquista do torneio em Viseu. Já sabem que poderão acompanhar o desafio aqui.

Penso que não é lícito duvidar do triunfo dos russos frente à selecção inglesa, dada a acentuada diferença entre as duas selecções, por muito bem preparados que os bretões se encontrem. Assim, devemos contar com 6  pontos para a Rússia no final desta competição, sendo, por isso, necessário que Portugal vença a Suíça para conquistar a Spring Cup. Caso a Suíça consiga derrotar Portugal, a Rússia será campeã, com os helvéticos em segundo lugar e Portugal na terceira posição. Uma vitória lusitana, pelo contrário, lança os discípulos de José Miguel para o primeiro lugar do torneio, com os russos em segundo e a Suíça em terceiro.

Independentemente das contas, que têm de ser feitas, o objectivo de Portugal seria sempre um e ó um: vencer a Suíça no derradeiro jogo da competição e brindar os adeptos locais com mais uma grande vitória dos lusitanos em terras de Viriato. Por conhecer o espírito de equipa que se vive na selecção nacional e acreditar no valor dos nossos atletas, tenho esperanças numa vitória de Portugal diante dos helvéticos e na conquista da Spring Cup pela selecção nacional. Força, pessoal! Vamos conseguir!

Uma palavra à nossa selecção

Estão todos de parabéns, rapazes. Fizeram um jogo fabuloso, numa prestação ao mais alto nível, demonstrando que, com união e muita determinação, é possível vencer qualquer adversário em quaisquer circunstâncias. Estiveram todos muito bem e foi graças à vossa energia, à vossa garra, à vossa vontade que venceram este desafio. Estou muito orgulhoso de todos e tenho consciência do que esta vitória representa. Depois de três derrotas consecutivas frente aos russos, temos agora uma nova vitória para festejar animadamente! E mais! Provaram que, mesmo sem jogadores como Madjer e Alan, mas também Bruno, Bruno Novo e Tavares, a selecção nacional de futebol de praia tem um vasto plantel, com muita qualidade, numa amostra de juventude que constitui uma receita para o sucesso.

Com apenas um ou dois treinos antes da competição, demonstraram que são uma grande equipa, capazes dos maiores feitos e derrotar as melhores selecções. Claro que a Rússia também estava desfalcada, e ainda poderia fazer melhor do que isto. Mas a forma de jogar deles não muda nada e as novas esperanças também são grandes jogadores. Por essa razão, é sempre extremamente difícil vencer a Rússia e só uma grande selecção consegue essa façanha. Vocês conseguiram. Estão de parabéns!

Paulo Graça, João Carlos, Sousa, Bilro, Coimbra, Torres, Durval, Paulo Neves, Zé Maria e Belchior.

Zé Miguel, Jhony Conceição, Manuel Virgolino, João Morais, Farinha e Juju.

Estão todos de parabéns!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: