Liga Europeia de Futebol de Praia 2010 – Primeira Etapa da Fase Regular em Moscovo: Russos e Italianos vencem os seus desafios e defrontam-se no jogo final de Domingo.


Nota: Se procuram informações sobre a Superfinal da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010, realizada em Lisboa, em Belém, visitem este post, onde poderão encontrar tudo o que pretendem.

A temporada europeia do futebol de praia já começou, com o desporto mais espectacular do planeta a invadir as areias do velhos continente. Técnica, criatividade, emoção, paixão e muitas surpresas são os ingredientes para um Verão repleto de grandes momentos de beach soccer: football and lifestyle.

Este ano, o início da Liga Europeia foi antecipado, pelo que o primeiro torneio da fase regular tem lugar entre os dias 28 de Maio (6ª feira) e 30 de Maio (Domingo) de 2010, na capital russa, Moscovo. Posteriormente, a Liga Europeia será suspensa durante aproximadamente um mês, sendo a Taça da Europa disputada no primeiro fim-de-semana de Junho, em Roma. A Liga Europeia regressa no fim do sexto mês do ano, com dois torneios a serem realizados, antes de as praias italianas de Bibione acolherem o Torneio de Qualificação para o Mundial 2011 da modalidade. Por fim, terá lugar o derradeiro evento da fase regular da Liga Europeia, com o tradicional Mundialito a ser disputado no início de Agosto e a Superfinal Europeia a fechar a temporada, coroando os campeões europeus de 2010.

O estádio de Poklonnaya Hill, em Victoria Park, durante a deposição e tratamento das areias utilizadas na competição. Moscovo preparou um evento de grande dimensão, num sinal de que a estrutura organizativa russa acompanhou os mais recentes êxitos da selecção do seu país, actual campeã europeia.

O estádio de Poklonnaya Hill, em Victoria Park, durante a deposição e tratamento das areias utilizadas na competição. Moscovo preparou um evento de grande dimensão, num sinal de que a estrutura organizativa russa acompanhou os recentes êxitos da selecção do seu país, campeã europeia.

Até ao momento, já tiveram lugar as duas primeiras jornadas da etapa russa da fase regular da Liga Europeia. O evento engloba duas competições distintas, a saber: um torneio quadrangular entre Rússia, Itália, Polónia e Roménia; um torneio triangular da divisão B da Liga Europeia, com Grécia, Alemanha e Israel.

Irei explorar, em seguida, os desenvolvimentos da divisão A, apresentando a situação actual de uma forma resumida. A divisão B será convenientemente explorada noutra oportunidade.

Divisão A: Coesão Colectiva para a Selecção Russa. Talento de Pasquali para os transalpinos.

Poster publicitário da Etapa Russa da Fase Regular da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010. Na imagem, o jogador russo Rustam Shakhmelyan arma o remate, em luta com o espanhol Juanma.

Poster publicitário da Etapa Russa da Liga Europeia de Futebol de Praia 2010. Na imagem, o jogador russo Rustam Shakhmelyan arma o remate, em luta com o espanhol Juanma.

Em cada dia foram disputados dois jogos entre as equipas que compõem o elenco deste torneio.

O dia de estreia do evento viu um duelo muito aceso entre italianos e polacos, com a técnica e a garra de Pasquali a darem a vitória aos Azurri após prolongamento, num jogo complicado para a equipa treinada por Giancarlo Magrini. Mas o prato forte do dia foi a goleada que os anfitriões impuseram aos romenos, num jogo em que o público local só teve razões para sorrir.

O segundo dia de jogos teve algumas semelhanças, com a Itália a enfrentar algumas dificuldades para levar de vencida a Roménia e a Rússia a alcançar uma vitória segura e confortável frente aos rivais da Polónia, garantindo o segundo triunfo em casa para a Liga Europeia, amealhando 3 preciosos pontos para o Ranking da competição.

Resultados:

28 de Maio

Itália 6 – 6 Polónia, Itália 7 – 6 Polónia (prolongamento)

Rússia 9 – 3 Roménia

29 de Maio

Itália 8 – 7 Roménia

Rússia 7 – 2 Polónia

Síntese:

Na vitória da Itália sobre a Polónia, obtida no prolongamento de 3 minutos, por 7-6, após um empate a 6 bolas em tempo regulamentar, destaque para a fantástica prestação do capitão transalpino Roberto Pasquali, que marcou 4 vezes e foi absolutamente determinante para o sucesso da sua equipa. A sua prodigiosa actuação incluiu o derradeiro golo do jogo, obtido em Extra Time, que foi um dos melhores golos da competição (provavelmente o melhor): respondendo a um lançamento longo do guarda-redes Spada, Pasquali recebeu a bola de peito e armou o pontapé de bicicleta de uma forma magistral, disferindo um remate potente para o lado oposto da baliza polaca, num gesto técnico perfeito, que daria a almejada vantagem  ao conjunto transalpino, apesar da tentativa de defesa de Gorecki. Neste jogo, destaque ainda para Wiltold Ziober, número 7 da Polónia, que apontou 3 dos 6 golos da sua equipa, numa exibição de grande nível. A Itália conquistou os 2 primeiros pontos para o Ranking da fase regular da Liga Europeia, enquanto a Polónia não somou qualquer ponto.

Giancarlo Magrini festeja alegremente com os seus jogadores. Pasquali, o homem do jogo, mal se vê nesta fotografia, sufocado com os abraços do seu treinador e colegas de equipa. Carotenuto, que ainda discutia com os árbitros, está com cara de poucos amigos.

Giancarlo Magrini festeja alegremente com os seus jogadores. Pasquali, o homem do jogo, mal se vê nesta fotografia, sufocado com os abraços do seu treinador e colegas de equipa. Carotenuto, que ainda discutia com os árbitros, está com cara de poucos amigos.

O duelo de leste entre russos e romenos foi, como se esperava, favorável aos homens da casa, campeões da Liga Europeia em título, que ultrapassaram tranquilamente os rivais da Roménia, recentemente promovidos à divisão A da competição. O jogo começou com um golo madrugador dos romenos, com Maci a surpreender tudo e todos ao inaugurar o marcador. No entanto, a experiência e a classe russas acabaram por vir ao de cima no decorrer do encontro, o que acabaria por se reflectir nitidamente no resultado que se verificava ao fim do 1º período de jogo: 4-1 favorável aos anfitriões. O 2º período acabou por funcionar como uma gestão do resultado por parte dos russos, apesar da boa resposta dada pelos romenos, e tudo estava totalmente decidido no 3º segmento do encontro, quando a Roménia deixou de reagir da mesma forma e a Rússia também desceu um pouco o ritmo, acabando por marcar mais dois golos. No final, o resultado de 9-3 e os consequentes 3 pontos no Ranking da Liga Europeia devia-se à união e à capacidade de cooperação dos elementos russos, dos quais Leonov, Shakhmelyan e Shishin foram os principais destaques, ao apontarem 2 golos cada um. Os 3 tentos romenos foram da autoria de Maci, que surpreendeu o mundo com a sua qualidade técnica (o terceiro golo foi pavoroso).

Dmytry Shishin, um dos melhores em campo, com dois golos, em confronto com Dobre, jogador romeno.

Dmytry Shishin, um dos melhores em campo, em confronto com Dobre, jogador romeno. O jogo correu de feição ao número 6 da Rússia, que apontou 3 golos, o último dos quais numa magnífica acrobacia (overhead).

Hoje, dia 30 de Maio, os jogos da divisão A começaram com um duelo renhido entre a Itália e a Roménia, que acabaria por culminar na segunda vitória dos transalpinos e na segunda derrota dos romenos. Dado que o triunfo foi alcançado em tempo regulamentar, os italianos foram premiados com 3 pontos, somando 5 pontos no total, ao passo que os romenos permanecem em branco na fase regular da Liga Europeia. Contudo, é louvável a forma como os jogadores de leste encararam o jogo, continuando na discussão do resultado até ao último segundo, sem nunca deixar que a Itália obtivesse um vantagem superior a 2 golos (foi esta a maior discrepância verificada entre as duas equipas, no 3º período de jogo). A Itália esteve bem ao conseguir uma produtividade ofensiva muito elevada, mas tem de melhorar o aspecto defensivo se não quiser cometer os mesmos erros graves no futuro. Os destaques do lado italiano foram Pasquali, com um hat-trick (soma 7 golos no total da competição), Carotenuto (2 golos, de grande penalidade) e os guarda-redes Spada e Del Mestre, que marcaram um golo cada um, gerando uma situação bem caricata neste jogo tão emocionante. Na Roménia, muitos jogadores lograram marcar (Maci, Marian Posteuca, Raj, Croi, Jimmy), sendo que Dobre conseguiu dois golos.

O italiano Pasquale Carotenuto tenta uma das suas famosas acrobacias, enfrentando a oposição de Gabriel Dobre, da Roménia. Ambos os jogadores marcaram 2 golos para as respectivas equipas.

O italiano Pasquale Carotenuto tenta uma das suas famosas acrobacias, enfrentando a oposição de Gabriel Dobre, da Roménia. Ambos os jogadores marcaram 2 golos para as respectivas equipas.

A Rússia, no derradeiro encontro do dia, derrotou solidamente a equipa polaca por expressivos 7-2, num resultado que deve mais de metade dos seus golos a uma chuva de tentos no 3º período. À semelhança do que acontecera anteriormente aquando do confronto com os romenos, a Rússia sofreu o primeiro golo, mas tal não afectou a equipa, que conseguiu chegar à vantagem antes do intervalo. No 2º período, os russos obtiveram um golo controverso (por meio de uma grande penalidade) e foi nos últimos 12 minutos de jogo que os anfitriões brindaram os apoiantes com 4 golos de belo efeito. Eremeev foi a figura do jogo, ao apontar 3 golos, dos quais se destaca a acrobacia do primeiro tento. Leonov e Shishin, como não podia deixar de ser, também marcaram cada um o seu golinho, tal como Gorchinskiy, e até o guardião, Andrey Bukhlitsliy, fez o gosto ao pé, ao apontar o quinto golo russo no terceiro golo marcado por um guarda-redes no dia. Os dois golos de Saganowski foram insuficientes para travar o poderio russo. 6 pontos somados pela Rússia no total, enquanto a Polónia permanece no fundo da classificação, juntamente com a Roménia, ambas sem qualquer ponto.

No início do 3º período, Andrey Bukhlitsliy, o grande guarda-redes russo, beija o poste da baliza que vai defender nos 12 minutos finais. Mal sabia ele que 5 minutos mais tarde estaria a festejar o golo que ele próprio marcaria, na baliza adversária. Uma das maiores figuras da selecção russa, sem dúvida!

No início do 3º período, Andrey Bukhlitsliy, o grande guarda-redes russo, beija o poste da baliza que vai defender nos 12 minutos finais. Mal sabia ele que 5 minutos mais tarde estaria a festejar o golo que ele próprio marcaria, na baliza adversária. Uma das maiores figuras da selecção russa!

Terceiro Dia

No panorama actual, com dois jogos para serem disputados no que resta desta primeira etapa da fase regular da Liga Europeia, podemos retirar imediatamente as conclusões óbvias de que a Rússia e a Itália estão bem lançadas na campanha europeia, estando praticamente assegurada a sua presença na Superfinal da Liga Europeia, ao passo que a Roménia e a Polónia terão de lutar a todo o custo pelo acesso à referida Superfinal, bem como pela simples manutenção na Divisão A.

Os jogos de amanhã serão certamente decisivos, cada um de sua maneira: o confronto titânico entre russos e italianos será fundamental para decidir quem vence o torneio de Moscovo em si, ou seja, quem se sagra campeão da primeira etapa da fase regular da Liga Europeia; o duelo entre polacos e romenos terá importância capital na determinação da classificação final da fase regular, interferindo certamente na definição das equipas qualificadas para a Superfinal e da equipa que eventualmente possa descer à divisão B da Liga Europeia.

Boguslaw Saganowski, um dos principais jogadores da selecção polaca, vai lutar com tudo o que tem para manter a Polónia longe da Divisão B da Liga Europeia. Na imagem, Saganwoski domina a bola perante a vigilância atenta do italiano Corosiniti, no primeiro dia de competição.

Boguslaw Saganowski, um dos principais jogadores da selecção polaca, vai lutar com tudo o que tem para manter a Polónia longe da Divisão B da Liga Europeia. Na imagem, Saganwoski domina a bola perante a vigilância atenta do italiano Corosiniti, no primeiro dia de competição.

Previsões? Penso que a Rússia acabará por derrotar a Itália, uma vez que os russos estão indiscutivelmente mais fortes e mais disciplinados do que os italianos, tanto a defender como a atacar. Pasquali, Carotenuto e companhia são excelentes jogadores e marcam muitos golos, mas surgem problemas quando se trata de defender a sua própria baliza. Este poderá ser o principal factor justificativo de uma eventual derrota dos Azurri frente aos anfitriões. O apoio dos espectadores será sempre um ponto a favor da Rússia e isso também tem de ser levado em conta, além do facto de os russos parecerem mais calmos e tranquilos do que os italianos neste início de época, o que se vê facilmente pela forma como conseguiram tomar as rédeas dos jogos frente a romenos e polacos, algo que a Itália não conseguiu fazer.

Quanto à batalha entre Roménia e Polónia, tenho muitas dúvidas, pois não conheço suficientemente bem as duas equipas e acho que são bastante equivalentes uma à outra. Julgo, ainda assim, que a maior experiência de alguns jogadores polacos poderá fazer a diferença, dando a vitória e os primeiros pontos ao conjunto treinado por Polakowski.

Esperemos para ver o que sucede…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: